Tamanho do texto

Ibovespa acompanha bolsas internacionais e sobe mais de 2%. Analistas aguardam definições sobre Petrobras

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) sobe nesta quarta-feira, após amargar um fechamento em agosto com queda de 3,51%. A alta do Ibovespa acompanha os mercados no exterior e era de 2,39% ao meio-dia, em 66.703 pontos.

A Bolsa também abre o mês de setembro na expectativa de que o processo de capitalização da Petrobras seja definido. O mercado aposta que a operação da estatal realmente vai ocorrer até o fim do mês, mas espera por detalhes sobre a oferta de ações.

Nesta quarta-feira, autoridades do governo têm reuniões não confirmadas que devem enfim cravar o preço do barril de petróleo a ser cedido onerosamente à Petrobras. Também será definido o tamanho das reservas no âmbito da capitalização. Enquanto o desfecho do processo não vem, a Bovespa segue o exterior, onde dados melhores que o esperado sobre a atividade na China e na Austrália trazem de volta o apetite ao risco.

Mais cedo, a China anunciou que a atividade industrial voltou a crescer, após meses seguidos de queda, o que alivia as preocupações sobre um pouso forçado da economia. O Índice dos Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial referente à produção da indústria chinesa subiu para 51,7 em agosto, de 51,2 em julho, na primeira alta em três meses. Outro termômetro da atividade no país, o PMI divulgado pelo HSBC registrou a maior pontuação dos últimos meses em agosto e subiu a 51,9, de 49,4 no mês anterior. Também do outro lado do mundo, a Austrália surpreendeu ao registrar no segundo trimestre deste ano o crescimento mais acelerado dos últimos três anos, em base trimestral, com uma expansão de 1,2%, acima do previsto.

A notícia de que o setor privado nos Estados Unidos cortou empregos em agosto, aparentemente, não desanimou os investidores nas bolsas americanas. Nasdaq subia 2,93% e Dow Jones tinha alta de 2,44%.

Nesta manhã, a ADP, empresa que processa folhas de pagamentos nos Estados Unidos, informou que o setor privado do país eliminou 10 mil vagas no mês passado. O resultado interrompe uma sequência de seis meses de criação de postos de trabalho no país e amplia as evidências de fragilidade na recuperação econômica americana.

(com agências)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.