Tamanho do texto

Executivos apostam na rápida familiarização dos consumidores, inclusive das classes C e D, com os pagamentos via celular

“Os brasileiros aderem a novas tecnologias com uma facilidade tremenda”, diz Marcelo Sarralha, diretor de Produtos da Visa do Brasil. Segundo ele, os consumidores do Brasil são vistos como de fácil adaptação em comparação com cidadãos de outros países e vão se interessar pelas novidades de pagamentos móveis - via celular - dada sua conveniência.

No caso dos celulares, cerca de 70% a 80% da população brasileira já possuem linhas, o que pode ser considerada uma grande penetração. “Hoje já há pessoas que saem de casa, percebem que esqueceram a carteira, e não voltam para pegar. Mas se esquecem o celular, voltam”, diz Hideraldo Dwight Leitao, gerente de gestão de canais do Banco do Brasil. O executivo concorda com Sarralha e acredita que da mesma forma que as pessoas já se acostumaram a tirar fotos pelo telefone celular, elas vão se familiarizar com os serviços bancários e pagamentos pelo mesmo aparelho.

Empresas se preparam para geração que fará tudo pelo celular
Divulgação
Empresas se preparam para geração que fará tudo pelo celular
“Toda a população economicamente ativa hoje está acostumada a pagar com cartão. Mas já há uma nova geração que vai fazer tudo do celular”, acrescenta Luiz Guilherme Roncato, diretor de plataformas avançadas da MasterCard Brasil. Segundo o executivo, o Brasil será o primeiro país em que a MasterCard terá a forma de pagamento remoto, e a empresa aposta no crescimento entre populações de classes C e D. “A solução pode ser aplicada à população de baixa renda de forma muito rápida”, afirma.

Um dos empecilhos para a total democratização dos novos meios de pagamento é a inexistência de cobertura de telefonia móvel em diversos municípios brasileiros. No entanto, as empresas acreditam que, aos poucos, todos os envolvidas no processo – bandeira, adquirente, operadora e financeira – vão se desenvolver para atingir todo o território nacional. “Acreditamos que as operadoras de telefonia também vão crescer e ampliar suas coberturas”, afirma Sarralha, da Visa.

Mobilidade

Uma modalidade de pagamentos móveis já com adeptos no País é de celular para celular. “Neste caso, é como se estivéssemos virtualizando a maquininha no celular”, explica Massayuki Fujimoto, diretor de inovação da Redecard. Segundo ele, essa opção é ideal para profissionais de que precisam de mobilidade e não possuem meios de captura, como vendedores de porta-a-porta, taxistas, entre outros.

Atualmente, a Redecard possui mais de 11 mil habilitados. “O número de transações triplicou no primeiro trimestre”, afirma Massaiuke. O executivo acredita no crescimento entre estabelecimentos que antes trabalhavam apenas com dinheiro. “Há ainda a vantagem de comerciante não ter que pagar o custo do terminal”, afirma.