Tamanho do texto

"Não basta dizermos que estamos bem. As pessoas precisam reconhecer isso", acredita o diretor do Brasil Investimentos e Negócios

selo

O Brasil precisa trabalhar para melhorar a percepção de sua imagem no exterior, fazendo com que investidores estrangeiros olhem para o País como um polo de negócio na America Latina. Essa foi a análise feita pelo diretor do Brain (Brasil Investimentos e Negócios), Paulo Oliveira, durante o lançamento do relatório Atratividade do Brasil como Polo Internacional de Investimentos e Negócios, ocorrido nesta manhã em São Paulo.

"Não basta dizermos que estamos bem. As pessoas precisam reconhecer isso", acredita o diretor do Brain. O relatório apresentado hoje compara o desempenho do Brasil com 13 países de todo o mundo, com base em 57 dimensões, classificadas em 7 pilares considerados essenciais para a atratividade de um polo de investimentos e negócios: ambiente macroeconômico, ambiente institucional, talentos e capital humano, infraestrutura física, infraestrutura financeira, conectividade e imagem do país.

Segundo Oliveira, a expectativa é de que o relatório seja atualizado anualmente, o que permitirá acompanhar a evolução do Brasil ao longo dos anos. "Os relatórios do Brain servirão de base para a criação de grupos de trabalho com o engajamento do setor privado e do governo. Já há grupos em operação, sendo que alguns devem gerar resultados concretos em questão de semanas", revelou.

Além dos materiais anuais, o Brain pretende lançar até o final do ano outros três relatórios. Eles abordarão os temas: Talentos e Capital Humano, Integração na América Latina, e Conectividade do Brasil e da América Latina. Com base nesses trabalhos, o Brain irá propor a criação de um marco regulatório unificado para os mercados nos países da América Latina.

Uma das ideias é estabelecer um padrão de autorregulação semelhante ao Novo Mercado da BM&FBovespa. O Brain é uma associação que representa diversos setores da economia e foi idealizada por três entidades-chave dos mercados financeiro e de capitais do País: Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), BM&FBovespa e Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.