Tamanho do texto

Ibovespa raspa nos 60 mil pontos e fecha em 59.962 pontos

selo

A Bovespa continua rondando os 60 mil pontos. Hoje, apesar das apostas de uma realização de lucros, o índice acabou, no entanto, seguindo a trajetória de alta exibida nas três sessões anteriores e terminou na contramão da maioria das bolsas internacionais, que caíram. Os estrangeiros se mostraram mais atuantes na compra nesta sessão e justificaram o desempenho do pregão.

Dólar zera alta ante real no fim da sessão por fluxo cambial

A Bolsa doméstica terminou a quarta-feira em alta de 0,26%, aos 59.962,40 pontos. Na mínima, registrou 59.423 pontos (-0,64%) e, na máxima, 60.094 pontos (+0,48%). No mês e no ano, sobe 5,65%. Nestes quatro dias no azul, a Bovespa acumulou ganho de 2,42%. O giro financeiro somou hoje R$ 5,522 bilhões. O patamar é o maior há quase seis meses. Em 25 de julho de 2011, o Ibovespafechou em 59.970 pontos.

Pela manhã, os investidores até embolsaram parte dos ganhos acumulados nas últimas sessões, aproveitando a agenda esvaziada no exterior e essa 'calmaria' na Europa. Mas a trajetória se inverteu na hora do almoço, com fluxo de estrangeiro se sobressaindo nas compras.

No geral, entretanto, o Ibovespa teve um comportamento 'lateral', assim como as bolsas norte-americanas, que em sua maioria fechou com perdas. Entre as razões estão as decisões de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco Central da Inglaterra (BoE), amanhã, quando também serão realizados leilões de bônus da Itália e da Espanha. Por aqui, Petrobras ON subiu 0,12% e a PN, 0,04%. Vale ON fechou com ganho de 0,75% a PNA, de 0,76%.

Veja mais:

Revolta na bolsa de metais de Londres, a centenária LME

Alerta da Fitch e fatores técnicos derrubam mercado europeu

(com iG São Paulo)

    Leia tudo sobre: bovespa