Tamanho do texto

Ações da BM&FBovespa dispararam 7% com a desoneração dos investidores estrangeiros. Dólar caiu

A Bovespa abriu a quinta-feira em alta após as medidas anunciadas pelo Ministério da Fazenda para estimular a economia brasileira. Na contramão do exterior, o Ibovespa fechou em alta de 2,23%, cotado em 58.143 pontos. No mercado cambial, o dólar fechou a R$ 1,8025 para venda nesta sessão, com baixa de 0,57%.

Entre as novas medidas anunciadas nesta quinta-feira, que valem a partir de hoje, está a redução do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre crédito ao consumidor, de 3% para 2,5%, além da eliminação do IOF de 2% que incide sobre a aplicação de investidores estrangeiros em ações na Bovespa.

Veja também: Mantega anuncia redução de tributos para estimular consumo
Governo incentiva volta de estrangeiro ao zerar IOF em ações e títulos

Até agora, o que mais agradou ao mercado foram desonerações para investimentos de estrangeiros no Brasil, tanto em renda variável quanto em renda fixa. Mas tem também várias desonerações para auxiliar setores específicos e o consumo, que devem influenciar nos negócios como um todo.

As novidades favoreceram as ações da BM&FBovespa, que tiveram alta de 7,19%, para R$ 10,59.

Leia mais: Governo adianta presente de Natal da Bovespa

Com o noticiário local, o mercado brasileiro opera descolado dos pregões internacionais. Na Europa, os principais índíces fecharam em queda . Nos Estados Unidos, S&P 500, Nasdaq e Dow Jones têm leves perdas.

Depois da festa que foi vista nesta quarta-feira em decorrência da ação conjunta de seis bancos centrais de países desenvolvidos para prover liquidez ao mercado, os mercados amanheceram de ressaca porque o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, falou em aumento dos riscos da economia . Ele alertou ainda que as dificuldades nos mercados de bônus governamentais estão afetando a política monetária unificada.

Além disso saíram dados de atividade fracos na zona do euro. Pior do que isso foi o Índice dos Gerentes de Compras da China, que caiu mais do que esperado, indicando retração. O impacto só não foi desastroso porque ontem, o governo chinês se antecipou à má notícia e cortou o compulsório dos bancos para incentivar a economia.

Os analistas da SLW corretora acrescentam que hoje também chamam a atenção do mercado novos
leilões de títulos da dívida de França e Espanha .

Veja também: Espanha vende 3,75 bilhões de euros em bônus, o máximo pretendido

Ásia

O otimismo que atingiu os investidores na quarta-feira contagiou os mercados asiáticos nesta quinta. Ainda impactadas pela decisão dos principais BCs em ajudar o fundo europeu e da mudança da política bancária na China, as bolsas da ásia fecharam o dia em forte alta . No Japão, o índice Nikkei terminou as operações com alta de 1.93%. Na China, o índice Hang Seng teve alta de mais de 5%, ao final do pregão desta quinta-feira.

Copom

Na quarta-feira, o Copom confirmou as expectativas do mercado ao cortar o juro básico do País em 0,5 ponto porcentual para 11% ao ano . A decisão foi tomada por unanimidade e o comunicado repetiu que os cortes moderados da taxa continuam consistentes com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012. Como o movimento era esperado, não deve provocar repercussões importantes no mercado hoje, ainda que cortes de juros sempre sejam favoráveis ao mercado de ações.

(Com agências)

Leia também: Medidas criam colchão para segurar queda do PIB no começo de 2012

    Leia tudo sobre: bovespa