Tamanho do texto

Presidente da BM&FBovespa afirma que as novas regras serão entregues à CVM em breve e vão reduzir custos para empresas que operam nos mercados de capitais

A Bolsa de valores brasileira vai mudar as regras para o acesso das corretoras de valores às negociações nos mercados de capitais, segundo Edemir Pinto, presidente da BM&FBovespa. O projeto do novo modelo de adesão, que vai baratear os custos para as operadoras, está em fase final de preparação e será entregue em breve ao órgão regulador, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), segundo o executivo.

Edemir Pinto:
Divulgação BM&FBovespa
Edemir Pinto: "Novo modelo vai reduzir custos para corretoras menores"
"A Bolsa esta redesenhando seu modelo de acesso para permitir que os requerimentos regulatórios e de capitais para o acesso das corretoras sejam feitos de acordo com o modelo regulatório das empresas. Já estamos na fase final deste novo desenho de modelagem para o acesso das corretoras e devemos entregar rapidamente ao regulador," afirmou Edemir Pinto no 5º Congresso de Mercados Financeiro e de Capitais, organizado pela BMFBovespa, em Campos do Jordão.

A alteração do modelo vai reduzir custos para as corretoras de valores, segundo o presidente da Bolsa, uma vez que discriminará e cobrará separadamente as taxas para cada tipo de operação. As corretoras de valores menores, que não atuam em todos os mercados, serão as mais beneficiadas.

"Vai ficar mais barato para as casas menores porque elas vão poder solicitar um cadastro compatível com suas atividades. Se uma opera apenas café, terá um pacote, se opera somente câmbio, terá outro, por exemplo" afirmou Edemir Pinto. Atualmente, o nível de exigência é igual para todas as empresas.

Tanto as corretoras que já têm acesso à BM&FBovespa como as novas entrantes do mercado serão beneficiadas pelo projeto, segundo Edemir Pinto. "As atuais vão poder fazer a opção na hora de fazer seu cadastro. Tudo vai depender do modelo de negócios de cada uma," afirmou.

Este é um dos três projetos da BM&FBovespa para cortar custos e facilitar o trabalho das corretoras. Os outros dois, que já foram apresentados pela Bolsa anterioremente, são o cadastro único de investidores de diferentes corretoras e a criação de um pacote de serviços para corretoras dentro da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias  (Ancord).

O projeto de pacote de serviços, que está sendo realizado em parceria com a Ancord, será implementado até o fim deste ano, segundo Edemir Pinto. As corretoras poderão, por exemplo, contratar links de acesso aos serviços da BM&FBovespa em conjunto, o que reduzirá seus custos. "Até o fim do ano estaremos operacionalizando," afirmou o presidente da Bolsa.

Durante o evento da Bolsa em Campos do Jordão, Edemir Pinto anunciou o lançamento da plataforma de negócios PUMA , que acontece nesta segunda-feira. A Puma integrará quatro plataformas atuais em um só sistema. Com isso, as operações de câmbio, ações, derivativos e títulos públicos para o investidor serão simplificadas e terão mais velocidade.

Veja também:

Juros únicos na Europa são "fantasia", diz Ilan Goldfajn

Brasil está em uma encruzilhada, diz Arminio Fraga

China crescerá apenas 3% ainda nesta década, diz especialista

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.