Tamanho do texto

Compras de janeiro já dão ganho de 9,79% ao Ibovespa, que fechou em alta apesar das preocupações na Europa

A Bovespa consegui encerrar a sexta-feira em alta, apesar dos mercados europeus terem fechado em ligeira queda e Nova York operar de lado. O Ibovespa renovou a máxima em seis meses e fechou em valorização de 0,62%, para 62.312 pontos. É o maior nível desde 6 de julho de 2011, quando fechou em 62.565 pontos. Na semana, o Ibovespa sobe 5,35%. No ano, a valorização é de 9,79%.

Em Nova York, às 18h15, o Dow Jones subia 0,54% e o Nasdaq caía 0,29%. Na Europa, as bolsas fecharam em leve baixa nesta sexta-feira, com os investidores aguardando os desdobramentos da negociação entre o governo da Grécia e credores privados para evitar o calote do país. Dados da economia chinesa e americana também estiveram no foco.

Em Londres, o índice FTSE 100 recuou 0,22%, para 5.728 pontos; em Paris, o CAC 40 perdeu 0,22%, para 3.321 pontos; em Frankfurt, o DAX fechou em baixa de 0,18%, para 6.404 pontos; e em Milão, o FTSE MIB caiu 0,13%, para 15.632 pontos.

Sobre Grécia, começou hoje uma nova rodada de reuniões do governo grego com a “troika”, formada por representantes do BCE, FMI e UE, sobre o segundo pacote de socorro financeiro ao país. Segundo as autoridades gregas, haverá importantes avanços nas duas negociações até segunda-feira, quando ocorrerá uma reunião de Ministros de Finanças da UE, diz o Banif em relatório.

Na agenda internacional de indicadores, o índice preliminar do PMI Manufacturing Markit/HSBC em janeiro permaneceu estável em relação a Dezembro. As encomendas à indústria da Itália subiram apenas 0,1% em novembro, na comparação com outubro.

Nos EUA, foram divulgados, às 13 horas, os dados sobre as vendas de imóveis residenciais usados em dezembro, que atingiram o maior nível em 11 meses . A oferta de propriedades no mercado foi a menor em quase sete anos, indicando uma nascente recuperação no setor imobiliário.

A Associação Nacional de Corretores dos EUA informou nesta sexta-feira que as vendas cresceram 5% em relação ao mês anterior, para uma taxa anualizada de 4,61 milhões de unidades. Economistas ouvidos pela Reuters previam alta um pouco maior, para 4,65 milhões de unidades.

Dólar

O dólar registrou a quinta baixa seguida ante o real nesta sexta-feira, completando mais uma semana de queda em meio aos ingressos de recursos ao país em busca de rendimentos mais elevados. Nesta sessão, a moeda norte-americana caiu 0,22%, para R$ 1,7593 na venda. Na semana, o dólar perdeu 1,72%, ampliando a desvalorização no ano a 5,84%.

Após iniciar os negócios dessa sexta-feira em alta, alcançando na máxima R$ 1,7733 (+0,58%), a taxa de câmbio foi perdendo força pela manhã. Mas voltou a subir no meio do dia, ficando perto da estabilidade durante a maior parte da tarde para finalmente fechar em queda. Na mínima, a cotação desceu a R$ 1,7570, queda de 0,35%.

    Leia tudo sobre: Bovespa