Tamanho do texto

Expectativa de um fim no conflito beneficiou os papéis do setor de energia

selo

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam em alta, impulsionados pela expectativa de um fim no conflito entre insurgentes e forças oficiais na Líbia, fator que beneficiou os papéis do setor de energia, em particular, os de empresas que operavam no país antes do início dos confrontos, como a italiana Eni.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 1,77 ponto, ou 0,79%, para 224,90 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 avançou 54,54 pontos, ou 1,08%, para 5.095,30 pontos. Em Paris, o CAC 40 ganhou 34,37 pontos, ou 1,14%, para 3.051,36 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em baixa de 6,22 pontos, ou 0,11%, a 5.473,78 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB subiu 259,31 pontos, ou 1,78%, para 14.861,64 pontos. O IBEX 35, da Bolsa de Madri, avançou 152,00 pontos, ou 1,87%, para 8.293,90 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 teve alta de 91,94 pontos, ou 1,53%, para 6.104,63 pontos. O ASE, da Bolsa de Atenas, perdeu 21,24 pontos, ou 2,21%, para 940,72 pontos.

Entre os destaques da sessão, as ações da Eni subiram 6,2% em Milão. A companhia era a maior petrolífera na Líbia antes de começarem os conflitos decorrentes de um levante popular contra o governante do país, Muamar Kadafi. Após meses de confrontos, as forças contrárias ao regime de Kadafi chegaram no fim de semana a Trípoli, a capital líbia, e tomaram a cidade, que abriga o complexo militar de Kadafi.

Analistas do Deutsche Bank avaliaram que, depois da Eni, as petrolíferas com maior exposição relativa à Líbia eram a austríaca OMV e a espanhola Repsol YPF, que avançaram 5,1% e 3%, respectivamente.

Fora do setor petrolífero, subiram os papéis do segmento de defensivos, como as farmacêuticas. A GlaxoSmithKline registrou ganho de 2,8% em Londres e a Roche avançou 3% em Zurique. A Roche teve a recomendação de seus papéis elevada de "manter" para "comprar", pelo Royal Bank of Scotland. Entre as prestadoras de serviços públicos, a E.ON. fechou em alta de 3,6%.

No setor bancário, a volatilidade continua. As ações do Crédit Agricole, que ao longo da sessão chegou a subir quase 3,5%, terminou o pregão em baixa de 1,6%. O Royal Bank of Scotland perdeu 5,3%. As informações são da Dow Jones.

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.