Tamanho do texto

As ações do National Bank of Greece e as do Alpha Bank despencaram mais de 4%; a bolsa de Atenas caiu 2,8%

selo

As bolsas europeias fecharam em queda, com o índice de ações de Atenas caindo quase 3%, em consequência dos persistentes receios sobre o futuro da crise de dívida da Grécia , que está se agravando. O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 terminou o dia com queda de 0,5%, aos 266,73 pontos, acima das mínimas da sessão.

Os declínios aconteceram apesar de Olli Rehn, comissário da União Europeia (UE), e o Fundo Monetário Internacional (FMI) terem afirmado que a próxima parcela da ajuda para a Grécia deverá ser aprovada. Rehn também disse que as autoridades provavelmente decidirão sobre um segundo pacote de ajuda para a Grécia no começo de julho.

O índice ASE Composto da Bolsa de Atenas caiu 2,8%, para 1.208,09 pontos. As ações do National Bank of Greece e as do Alpha Bank despencaram mais de 4%. "O mercado está ficando muito, muito nervoso", comentou Koen De Leus, estrategista do KBC Securities. "Está um caos na Grécia e eu estou bem receoso de que Papandreou (o primeiro-ministro do país) não tenha isso sob controle e, se ele não tiver isso sob controle, ele não poderá fazer uma mudança no governo ."

De Leus destacou que as implicações da crise grega poderão ser muito piores do que a quebra do banco norte-americano Lehman Brothers, em 2008, já que seria um governo quem estaria falindo e isso poderia contaminar outros países periféricos.

Os maiores bancos da França ficaram sob intensa pressão pela segunda sessão seguida, depois de três instituições terem seus ratings (classificação de risco) colocados em revisão para possível rebaixamento pela Moody's ontem em razão da exposição à Grécia. Em Paris, Société Générale fechou em queda de 1,7%, levando o índice CAC-40 da bolsa a cair 0,38%, para 3.792,31 pontos. Carrefour também pesou sobre o índice, com queda de 3,5% após o UBS cortar a recomendação das ações da varejista de "neutro" para "vender".

O índice DAX da Bolsa de Frankfurt recuou 0,07%, para 7.110,20 pontos, com a varejista Metro cedendo 3,0%. As seguradoras Munich Re e Allianz declinaram 1,17% e 0,56%, respectivamente.

Em Londres, o índice FT-100 fechou em baixa de 0,76%, aos 5.698,81 pontos, pressionado por empresas ligadas a recursos naturais, como Anglo American, que caiu 1,8%, e Lonmin, que perdeu 3,4%. As varejistas também foram destaque negativo, depois de o indicador sobre vendas no varejo do Reino Unido mostrar queda em maio. Kingfisher caiu 1,5% e Next recuou 1,6%.

O índice Ibex-35 de Madri caiu 0,15%, para 9.918,50 pontos; o PSI-20 de Lisboa declinou 0,59%, para 7.149,48 pontos; e o FTSE MIB de Milão perdeu 0,33%, para 19.852,44 pontos. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.