Tamanho do texto

Anúncio chinês fez com que investidores ficassem mais pessimistas com relação à economia mundial

As bolsas europeias fecharam em queda, após dois dias de altas, porque a China reduziu a projeção de crescimento econômico neste ano e porque os dados sobre indústria e serviços na zona do euro caíram mais do que o esperado.

Leia também:
Bolsa opera em queda após previsão de desaceleração da China
China tira energia das bolsas dos EUA

Em função da queda do cobre, as ações do setor de mineração, lideradas pelo grupo Rio Tinto, recuaram. Salzgitter AG teve retração de 5,4%, em meio a incertezas sobre as perspectivas da produtora de aço. BP subiu 1,6%, após ter chegado a um acordo de US$ 7,8 bilhões com os empresários e população afetados pelo derramamento de óleo no Golfo do México em 2010.

O índice Stoxx Europe 600 caiu 0,6%, para 265,56 pontos, após valorização de 0,9% na semana passada. Em Londres, o FTSE 100 encerrou segunda-feira em baixa de 0,61%; em Paris, o CAC-40 desacelerou 0,39%; em Frankfurt, o DAX perdeu 0,79% e em Madri o Ibex 35 teve queda de 1,28%.

"O mercado está fazendo uma pausa para respirar, após o forte rali recente", disse Edmund Shing, estrategista de renda variável do Barclays Capital em Londres. "As pessoas estão hoje um pouco menos pessimistas com a economia do que no fim do ano passado. Mas claramente precisaríamos ver mais dados macro positivos. Não esperamos crescimento na Europa neste ano", afirmou.

A China reduziu a meta de crescimento para 7,5% neste ano, a menor desde 2004, de acordo com o premiê Wen Jiabao. O governo também tem como meta 4% de inflação neste ano, a mesma que em 2011.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.