Tamanho do texto

As bolsas em Wall Street sobem na abertura, sustentadas pelos resultados fortes de balanços corporativos, como da Target e Staples, enquanto os investidores avaliam dados de inflação dos EUA e o desenrolar da crise da dívida europeia

selo

As bolsas em Wall Street sobem na abertura, sustentadas pelos resultados fortes de balanços corporativos, como da Target e Staples, enquanto os investidores avaliam dados de inflação dos EUA e o desenrolar da crise da dívida europeia. Às 10h32 (de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,39% o S&P 500 tinha ganho de 0,55% e o Nasdaq avançava 0,22%.

Hoje o governo norte-americano informou que o índice de preços ao produtor do país (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,2% em julho ante junho, após ter caído 0,4% em junho, e superou a estimativa de alta de 0,1%. O núcleo do PPI - que exclui alimentos e energia - subiu 0,4% em julho ante junho, a oitava alta consecutiva, também acima da projeção do mercado, de alta de 0,2%.

Na zona do euro, a França e a Alemanha querem que o bloco aumente a disciplina fiscal e propõem a suspensão do acesso aos principais fundos de transferência da União Europeia às nações que apresentem descontrole em seus gastos. A reunião entre o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, não chegou a injetar otimismo no mercado, mas ajudou a segurar o pessimismo.

Como o franco suíço segue sua escalada rumo aos céus, o banco central da Suíça voltou a adotar medidas para injetar liquidez no mercado, mas acabou gerando decepção ao não atrelar a moeda ao euro.

Balanços

As ações da Staples reagiram em alta ao aumento de 36% em seu lucro líquido no segundo trimestre e ao anúncio de que a companhia elevou as projeções para o ano.

Os papéis da Target também sobem, após a empresa apresentar um lucro de US$ 1,03 por ação no segundo trimestre fiscal, de US$ 0,92 por ação um ano antes, e superar a estimativa de lucro de US$ 0,97 por ação. A companhia ainda elevou as projeções de lucro para o terceiro trimestre.