Tamanho do texto

HONG KONG - As bolsas de valores da Ásia terminaram em baixa acentuada nesta quinta-feira, após fracos dados econômicos dos Estados Unidos reascenderem preocupações de investidores sobre o crescimento. Em meio aos temores, fundos de hedge venderam ativos de risco, elevando o iene e sustentando o dólar.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237577638252&_c_=MiGComponente_C

Investidores asiáticos foram decepcionados por uma queda surpreendente nas vendas de novas moradias nos Estados Unidos no mês passado, divulgada na véspera, destacando riscos para uma recuperação na maior economia do mundo.

Às 7h46 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne as principais ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão cedia 1,86%, para 388 pontos.

"Todo mundo tem mencionado uma correção, mas eu acho que a velocidade e o volume do que estamos vendo pegaram o mercado de surpresa", disse Ben Potter, analista de pesquisa do IG Markets, na Austrália.

O mercado de Sydney recuou 2,36%, maior queda percentual diária em quatro meses, com as mineradoras globais BHP Billiton e Rio Tinto pressionadas pela fraqueza dos preços do petróleo e dos metais.

Moedas de alta rentabilidade, os dólares australiano e neozelandês caíram para as mínimas em três semanas.

Traders de câmbio disseram que fundos de hedge, cuja fuga de ativos de risco agravou uma venda generalizada nos mercados da América Latina na quarta-feira, foram vistos realizando lucros em investimentos asiáticos antes do término do ano financeiro em novembro.

Especuladores de curto prazo também embolsaram lucros. Contudo, as perdas foram contidas em relação ao declínio de 5% do índice MSCI que reúne as principais ações da América Latina.

A Bolsa de Tóquio retrocedeu 1,83%, para 9.891 pontos, atingindo o menor patamar de fechamento em três semanas, conforme a firmeza do iene prejudicou as ações de exportadores.

Investidores estrangeiros deixavam os mercados acionários sul-coreanos. O indicador Kospi, de Seul, perdeu 1,48%, alcançando o nível mais baixo de fechamento em dois meses, com as siderúrgicas e construtoras de navios fortemente abatidas.

Em Xangai houve queda de 2,34%. Bancos chineses foram afetados por temores sobre um possível aumento na taxa básica de juro do país, enquanto a Nike Gragons Paper despencou por planos de emitir novas ações.

As ações negociadas em Taiwan tiveram oscilação negativa de 2,37%, atingindo a mínima em um mês. O movimento foi conduzido pelos setores de tecnologia e imobiliário.

"É muito difícil para as ações taiuanesas se saírem bem quando os mercados globais estão recuando, especialmente quando subirem tanto e com tão poucas pessoas dispostas a comprar papéis", disse Vincent Ho, gerente de fundos do JPMorgan Asset Management.

Cingapura perdeu 0,63% e Hong Kong caiu 2,28%.

Leia mais sobre : mercados

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.