Tamanho do texto

Maiores perdas do dia atingiram o trigo, que cedeu 2,41%

selo

SÃO PAULO - Os mercados de commodities agrícolas acompanharam as baixas das bolsas de ações e mercadorias pelo mundo hoje, mas fecharam longe dos piores momentos do dia, refletindo, na maioria dos casos, a apertada relação entre oferta e demanda. Enquanto o petróleo cedeu quase 6%, as bolsas na Europa recuaram em torno de 5% e o índice Dow Jones recuou acima de 4%, nas agrícolas a queda mais acentuada foi a do trigo - 2,41% - cuja cotação tinha disparado nas duas sessões anteriores. Exceção à regra do dia, as cotações do café fecharam com alta.

Em Chicago, o contrato novembro da soja chegou a perder 1,5%, mas fechou com recuo de 0,42%. O milho para dezembro cedeu 1,72% (-2,1%) na mínima; o trigo para setembro recuou 2,71% (-3,8% na mínima). Nas soft commodities negociadas na Bolsa de Nova York, o açúcar para outubro cedeu 1,25% (-2,9% na mínima), o suco de laranja para novembro perdeu apenas 0,06% e o algodão recuou 0,81%.

O café para dezembro subiu 0,60%. "O mercado de café tem sido movido pelos fundamentos neste momento: a safra será menor no Brasil", resumiu Christian Wolthers, presidente da importadora Wolthers America, baseada na Flórida. Para Spencer Patton, fundador da Steel Vine Investments, o fato de as perdas nas soft commodities não serem tão acentuadas afasta o espectro de recessão econômica.

"Se esse fosse o caso, veríamos as commodities caindo sem cessar. Há muita emoção, muita remarcação de preços, mas abaixo disso existe um piso. Acredito que ainda veremos boa demanda (pelas commodities)", disse.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.