Tamanho do texto

Mercado atravessa novo dia de volatilidade, e balanços afetam o Ibovespa

selo

SÃO PAULO - A volatilidade volta a marcar os negócios hoje na Bovespa, antes do vencimento de opções sobre ações e do vencimento de opções sobre o Ibovespa, na segunda e quarta-feira, respectivamente. A divulgação de balanços corporativos, no entanto, continua a comandar as principais variações do dia.

Gafisa lidera as principais quedas do Ibovespa, após ter divulgado resultado abaixo do esperado pelo mercado e ainda ter revisado para baixo seu guidance de margem Ebitda para o ano. Rossi e Cyrela acompanham. Na ponta positiva, destaque para BRF - Brasil Foods, entre as maiores altas.

Às 12h05, o Ibovespa caía 0,51%%, aos 53.073 pontos, após ter alcançado a mínima de 52.650 pontos (-1,30%) e a máxima de 53.606 pontos (+0,49%). O giro financeiro era de R$ 2,59 bilhões, com projeção de alcançar R$ 9,04 bilhões no encerramento do pregão. Em Nova York, o índice Dow Jones registrava ganhos de 0,67%, enquanto o S&P 500 subia 0,27%.

Gafisa recua 7,35%, liderando a lista de maiores quedas do Ibovespa, após ter divulgado ontem que encerrou o segundo trimestre de 2011 com lucro líquido de R$ 25,112 milhões, uma retração de 74,2% em relação a igual período do ano passado. Além disso, a empresa revisou o guidance para a margem Ebitda para o ano em 200 pontos-base, de 18% a 22% para 16% a 20%.

Rossi cede 6,52% e Cyrela registra perdas de 5,87%, ambas entre as principais baixas do Ibovespa. A primeira registrou lucro líquido de R$ 85 milhões no segundo trimestre deste ano, com queda de 19% em relação a igual período do ano passado. Já a Cyrela, obteve lucro líquido de R$ 95,9 milhões no segundo trimestre deste ano, com retração de 42,7% em relação a igual período do ano passado, quando atingiu R$ 167,5 milhões. A lista de principais baixas do Ibovespa estão ainda outras empresas de construção como Brookfield (-4,59%), PDG (-4,13%) e MRV. Também aparece no grupo TIM, com recuo de 3,34%.

TAM e GOL

Na ponta oposta destaque para a alta de 6,68% da TAM, a maior entre as empresas listadas no Ibovespa, após a Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério da Fazenda ter divulgado ontem parecer recomendando ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que aprove a união entre as companhias aéreas TAM e LAN sem restrições.

As ações da empresa também se beneficiam do resultado ruim divulgado pela concorrente Gol, que anunciou prejuízo líquido de R$ 358,7 milhões no segundo trimestre do ano, crescimento de 591% ante o prejuízo de R$ 51,9 milhões registrado no mesmo período de 2010. Há pouco, o papel da Gol cedia 3,68%, entre as principais desvalorizações do Ibovespa.

BRF

BRF, que também divulgou balanço sobe 1,62%. A companhia elevou em 190% seu lucro líquido no segundo trimestre de 2011, para R$ 498 milhões. A receita líquida cresceu 14%, para R$ 6,294 bilhões, ante R$ 5,532 bilhões de abril a junho de 2010. Também figuram entre as principais valorizações do índice Usiminas PNA (+6,50%), Gerdau Metalúrgica (+3,24%), Gerdau (+2,62%), CCR (+2,48%), Braskem PNA (+2,41%) e Santander (+1,96%).

Vale e Petrobras

As duas empresas de maior peso no Ibovespa operam de lado. Há pouco Vale PNA cedia 0,20% e ON recuava 0,21%. Mais cedo os metais básicos operam sem uma direção única, mas a maioria se mantém dentro de faixas estreitas de oscilação, enquanto os investidores permanecem cautelosos sobre o curto prazo em seguida à forte volatilidade vista nesta semana. Petrobras PN, por sua vez, subia 0,30%, enquanto a ON registrava perdas de 0,14%. Hoje o petróleo registra leve alta, cotado na casa dos US$ 86 o barril na Nymex eletrônica.

(Beth Moreira)