Tamanho do texto

Banco Central identificará clientes com operações de financiamento a partir de R$ 1 mil, incorporando 155 milhões de operações ao sistema de crédito

O Banco Central anunciou nesta sexta-feira a ampliação do Sistema de Informações de Crédito (SCR), que a partir de 30 de abril identificará obrigatoriamente os clientes com operações de financiamento totais a partir de R$ 1 mil. O piso anterior era de R$ 5 mil. A mudança permitirá incorporar individualmente cerca de 155 milhões de operações de crédito, e identificar mais R$ 166 bilhões de créditos individuais.

"Vamos quadruplicar a quantidade de informações disponíveis sobre o tomador de empréstimo, e dobrar o número de operações", explicou o presidente do BC, Alexandre Tombini. Ele destacou que a ampliação do banco de dados vai permitir cobrir 96% do volume de crédito operado no país. "O novo sistema foi pensado para melhorar os parâmetros do anterior, devido aos 40 milhões de brasileiros agregados ao mercado de consumo entre 2003 e 2009 pela inclusão social e financeira", afirmou.

Leia :

Febraban prevê expansão de 16,6% do crédito em 2012

Número de famílias endividadas sobe e atinge 42,8%

A ampliação vai melhorar a qualidade das informações disponíveis sobre as operações de crédito no país. Na prática, significará que cada empresa ou pessoa ganhará uma classificação de risco, que vai considerar fatores como atraso no pagamento das dívidas e renda, por exemplo, na hora da análise. Além disso, vai evitar o excesso de endividamento dos tomadores de crédito de menor valor.

A nova base de dados vai incluir informações como renda das pessoas físicas, o faturamento das pessoas jurídicas, o CEP para identificar a distribuição de crédito no país e as informações dos fundos de investimento de direitos creditórios, explicou Antero Meirelles, diretor de fiscalização do BC.

Mais : Troca de consignado lidera reclamações no Banco Central

Segundo Tombini, a melhora na qualidade da informação contribui para a redução do spread bancário, principalmente no segmento de menor renda, considerando que a inadimplência é o principal componente do spread.

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, também esteve presente no evento. Ele afirmou que a ampliação da base de dados vai ajudar a melhorar a análise do crédito. "O novo sistema mantém a estabilidade do sistema financeiro e evita problemas, pois o parâmetro anterior estava desatualizado", afirmou.

Também : Cartões de crédito crescem 550% em uma década e atraem novatos

A decisão de reduzir o valor das operações de crédito que serão abertas no SCR já havia sido anunciada. Para se ter ideia da abrangência que o monitoramento dos devedores deve ganhar, de acordo com o relatório de inclusão financeira do BC de junho passado, a média mensal da quantidade de operações de valor superior a R$ 5 mil em um grupo de 1 mil adultos é de 276; quando esse valor desce para R$ 1 mil, a quantidade de operações registradas no SCR para esse mesmo grupo de 1 mil adultos sobe para 3.847.

(com agências)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.