Tamanho do texto

Objetivo do governo é preparar o País para uma eventual deterioração da economia mundial até o fim do próximo ano

selo

Se em 2008 o governo respondeu à crise financeira internacional estimulando o consumo das famílias, com cortes de impostos, agora pretende direcionar linhas de crédito dos bancos públicos para fortalecer a produção industrial. Em vez de pressionar a inflação, o Planalto espera, assim, dar condições para uma capacidade maior de crescimento da economia no longo prazo.

O Banco do Brasil vem conversando com indústrias e estudando cadeias produtivas específicas para identificar gargalos na produção, além de aperfeiçoar os desembolsos das linhas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), segundo Walter Malieni, diretor de crédito do Banco do Brasil.

"Lá atrás, era muito crédito ao consumidor, agora é crédito à produção", diz Malieni. Como a turbulência do mercado financeiro ainda não afetou as operações de exportadoras e grandes empresas nacionais, o trabalho de Malieni nos últimos dias têm sido monitorar dados: o fluxo de exportações, para verificar se há dificuldade de financiamento de embarques, os preços de commodities, para a eventualidade de menores valores afetarem a receita das exportadoras, e os estoques das empresas.

Descompasso

O receio do Banco do Brasil neste último caso é um descompasso muito grande entre o valor das mercadorias quando a empresa construiu o estoque e a possibilidade de os preços caírem à frente, por causa da desaceleração da economia. O Banco do Brasil já opera linhas do BNDES que atenderiam a todas essas demandas, por isso não há ideia de criar novos produtos, apenas acelerar a liberação de dinheiro, caso seja necessário.

O objetivo principal é evitar demissões. Dada a incerteza e volatilidade nos mercados financeiros e as medidas diárias anunciadas por governos de países desenvolvidos, ainda não há certeza do impacto nas companhias do País. "A impressão é que o Brasil está mais preparado, tem uma memória muito grande porque foi recente, a gente está atento para poder avaliar, mas é muito cedo para saber se vai ter impacto", disse Malieni.

Segundo o diretor do Banco do Brasil, o objetivo da decisão de estender linhas de crédito do BNDES na política industrial é preparar o País para uma eventual deterioração da economia mundial até o fim do próximo ano. "O Plano Brasil Maior trabalha a manutenção do mercado interno por meio da oferta agregada, aumentando a base de bens de capital. Funciona um pouco como amortecedor." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.