Tamanho do texto

Nova York - O principal assessor econômico da Casa Branca, Lawrence Summers, pediu nesta sexta-feira a Wall Street para que aceite a aplicação de novas normas reguladoras para evitar outras crises e disse que os Estados Unidos precisa de mudanças fundamentais no setor financeiro.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237577247775&_c_=MiGComponente_C

"Chegou o momento de iniciar mudanças fundamentais no setor financeiro de nossa economia, tanto na maneira em que as instituições dirigem seus negócios, quanto no modo em que são reguladas", defendeu Summers durante uma reunião de economistas em Nova York.

O também diretor do Conselho Econômico Nacional destacou que, a cada três anos, emerge uma nova recessão financeira no mundo, como a crise econômica mexicana de 1994, a asiática de 1997 e a explosão da bolha tecnológica em 2000.

"Um sistema que produz tantos incidentes desta gravidade é, com certeza, um sistema que precisa de uma reforma", argumentou.

Em seu discurso, Summers disse que um sistema financeiro "desenhado para gerir, distribuir e controlar o risco foi fonte de riscos, com consequências devastadoras para os trabalhadores, consumidores e contribuintes".

O economista, que foi secretário do Tesouro durante a Administração de Bill Clinton, afirmou que o governo americano está disposto a impulsionar um crescimento da economia baseado em produção real e distribuição de bens e serviços em vez de bolhas financeiras.

Summers apelou para o envolvimento de Wall Street neste processo de mudança, já que a bolsa nova-iorquina "não foi exatamente uma pequena causa da crise e precisa fazer parte da solução".

Ontem, a Administração Obama teve sua primeira vitória em política de reforma financeira em meses depois que o Comitê de Serviços Financeiros do Congresso aprovou uma nova regulação sobre derivados OTC ("over the counter"), os negociados à margem dos mercados regulares.

O projeto de lei deste comitê pretende acabar com o excesso de especulação no mercado, já que estes derivados são considerados parte dos agravantes da crise financeira do ano passado.

Leia mais sobre Wall Street

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.