Tamanho do texto

Grupo vai começar a vender seguros no varejo, com apólices para automóveis, proteção ao crédito e acidentes pessoais

A AIG, que era a maior seguradora do mundo e quebrou com a crise financeira de 2008, se reestruturou e resolveu apostar no mercado brasileiro. O grupo, agora com o nome Chartis, está investindo mais R$ 54 milhões no País para disputar contratos de petróleo, energia elétrica, garantia a grandes projetos, navios e aviação. No fim do ano passado, a companhia já havia aportado R$ 70 milhões por aqui. Agora, vai começar a vender seguros no varejo, com apólices para automóveis, proteção ao crédito e acidentes pessoais. Nos próximos meses, vai contratar mais 40 executivos e abrir escritório no Rio de Janeiro, disse o presidente da Chartis, Guillermo León.

Desde 1997, a AIG operava no Brasil por meio de uma joint venture (associação) com o Unibanco. Em 2008, a seguradora americana precisou ser socorrida pelo governo dos Estados Unidos por causa das perdas com a crise financeira mundial. Teve início uma reestruturação global da empresa. No Brasil, o Unibanco comprou a fatia da AIG na sociedade por US$ 805 milhões em novembro de 2008. O grupo, porém, continuou com licença para operar no País na Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Reestruturação

A decisão da AIG, tomada no ano passado, foi reativar essa empresa, que não era operacional. Com isso, começou a operar do zero com um escritório em São Paulo. Em 2009, em meio à reestruturação global, a AIG separou suas operações e a de seguros gerais passou a se chamar AIU. No mesmo ano, houve nova mudança de nome, desta vez para Chartis. No Brasil, a Susep aprovou em abril deste ano a mudança do nome e um aumento de capital.

O foco do grupo no País sempre foi a área de grandes riscos, com apólices voltadas para empresas e que protegem operações como a construção de usinas hidrelétricas, instalações industriais e concessões rodoviárias. Ainda com o Unibanco, participou da apólice das usinas hidrelétricas do Rio Madeira. A nova estratégia é focada no varejo. Segundo León, no segmento automotivo a ideia é buscar nichos, como carros de luxo. Esse segmento é o mais competitivo do mercado brasileiro de seguros e é dominado por Porto Seguro, Bradesco e Banco do Brasil - que se associou à Mapfre. A expectativa da Chartis é começar a operar no segmento em 2011. Por enquanto, a empresa faz testes com produtos e sistemas e está contratando executivos.

Grandes riscos

A Chartis também trouxe ao Brasil sua resseguradora, a American Home. Até agora, essa unidade tinha apenas um escritório de representação. Também nesta área os investimentos estão sendo reforçados. O grupo vai investir mais US$ 50 milhões para abrir uma empresa local, competindo diretamente com o IRB-Brasil Re, resseguradora do governo brasileiro.

A American Home participou do contrato bilionário de todas as operações da Petrobras no País, fechado no começo do ano e liderado pela seguradora do Itaú. O resseguro é uma espécie de seguro do seguro, usado para diluir os riscos, entre várias resseguradoras, em grandes contratos. Entre as obras de infraestrutura, a Chartis e a American Home estão interessadas em participar do contrato da usina de Belo Monte.