Tamanho do texto

Papéis da segunda maior cervejaria do mundo subiram 7% nesta quinta-feira, maior alta em quase três anos

Notícia de possível união entre maiores cervejarias do mundo agita o mercado financeiro
Getty Images
Notícia de possível união entre maiores cervejarias do mundo agita o mercado financeiro
As ações da SABMiller, segunda maior cervejaria do mundo, tiveram alta de 7% na bolsa de Londres, o maior avanço em quase três anos. A alta acontece após notícia de que a cervejaria estaria negociando sua venda para a Anheuser-Busch InBev por US$ 80 bilhões (cerca de R$ 145 bilhões). Mais cedo, os papéis chegaram a registrar alta de 11% .

Antecipada na coluna de Guilherme Barros , na manhã desta quinta-feira, a novidade espalhou-se por todo o mundo e movimentou o mercado. Analistas de diversos países publicaram relatórios sobre o impacto da fusão nas duas empresas. 

Veja também: InBev deve utilizar a AmBev, no Brasil, para comprar SABMiller

Os papéis da AB InBev, principal cervejaria global, por sua vez, registraram baixa de 0,4%. No Brasil, as ações da AmBev, que faz parte do grupo belgo-brasileiro, tinham alta no começo da tarde. No entanto, perto do fechamento do pregão brasileiro, caíam, 0,46%, a R$ 45,15.

Em relatório enviado para clientes, o analista Pablo Zuanic, da corretora inglesa Liberum Capital, afirma ser pouco provável que o negócio se concretize. Ele acredita que as empresas teriam dificuldade para conseguir aprovação dos órgãos antitruste para à operação, que daria às duas empresas 30% do mercado mundial de cervejas.

“Não acreditamos que os territórios onde a SAB atua sejam estratégicos para a AB InBev”, diz Zuanic. Ele acredita que o conglomerado mexicano Modelo, que produz a cerveja Corona, entre outras marcas, seria uma aquisição muito mais interessante para a companhia.

“Para quê se alavancar tanto (e talvez até ser forçado a emitir ações), quando existem alvos mais atraentes como o Grupo Modelo e outras companhias menores na Ásia?”, questiona o analista.

Ainda no cenário corporativo externo, destaque para a Apple , cujas ações começaram o dia com perdas na bolsa norte-americana Nasdaq, passsaram a subir, mas voltaram ao terreno negativo.

Bolsas globais sobem

Na Europa, as bolsas tiveram altas nesta quinta-feira, impulsionadas pela notícia de que o Banco da Inglaterra ampliará seu programa de recompra de títulos.

Além disso, os investidores também se animam com expectativas de um plano coordenado dos governos europeus para conter a crise financeira na regiãom, com o anúncio de recompra de títulos da região pelo Banco Central Europeu  e com a afirmação do presidente do grupo de ministros de Finanças da zona do euro, Jean-Claude Juncker, de que o grupo está estudando uma "eficiente" alavancagem da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês).

O bom humor com a Europa também é visto em outros países. Nos EUA, os principais índices avançam em torno de 0,8%. No Brasil, a Bovespa teve forte alta .

(Com agências)