Tamanho do texto

Conselho atendeu ao pedido da empresa e não julgou hoje fusão entre Sadia e Perdigão. Papéis chegaram a liderar Ibovespa

As ações da Brasil Foods fecharam em alta de 0,20% na Bovespa nesta quarta-feira, cotadas em R$ 24,53. Os papéis chegaram a liderar as valorizações do Ibovespa, com ganho de quase 3%, em reação à notícia de que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) atendeu ao pedido da BR Foods e não julgou hoje a fusão entre as companhias, que deu origem à empresa em maio de 2009. O Ibovespa caiu 0,97%.

Hoje, a companhia tem recuperação parcial na Bolsa de quedas da semana passada, quando repercutiram voto no mesmo Cade contrário à fusão entre Sadia e Perdigão. Com um voto que durou mais de quatro horas, o conselheiro relator do Cade no caso, Carlos Ragazzo, votou no dia 08 de junho pela reprovação da união das empresas.Do dia 9 até ontem, as ações acumularam queda de 6,38%. No mês, recuam 16,39%.

Cronologia da fusão:

25 de setembro de 2008 – A Sadia, a maior processadora e exportadora de carne do país, anuncia perdas de R$ 760 milhões com operações de derivativos cambiais. A empresa encerra o ano com prejuízo de R$ 2,5 bilhões, o maior em seus 64 anos de história.

Maio de 2009 - Os presidentes da Sadia, Luiz Fernando Furlan, e da Perdigão, Nildemar Secches, antes concorrentes ferrenhos, anunciam a fusão entre as duas empresas e a criação da BRF Brasil Foods.

Setembro de 2009 – É concluída a troca de ações entre as empresas. A Sadia transformou-se em uma subsidiária da Perdigão, que passou se chamar BRF Brasil Foods. As empresas ainda se mantêm como entidades separadas, à espera do julgamento do Cade.

30 de junho de 2010 - Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), ligada aos Ministério da Fazenda, emite parecer em que afirma a fusão "resulta em concentrações significativas em diversos mercados relevantes de oferta de carne in natura e produtos industrializados". A secretaria recomenda o licenciamento das marcas Perdigão ou Sadia por, no mínimo, cinco anos, além da venda de um conjunto de fábricas e unidades de abate.

Julho de 2010 – A Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, acompanha em seu parecer a avaliação da Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae).

Maio de 2011 - Parecer dos procuradores do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomenda fortes restrições ao acordo ou a reprovação do negócio.

08 de Junho de 2011 - Com um voto que durou mais de quatro horas, o conselheiro relator do Cade no caso Sadia-Perdigão, Carlos Ragazzo, votou pela reprovação da união das empresas. Um dos conselheiros pede vistas do processo e o julgamento é suspenso.

Leia mais:

Relator do caso BRF Foods no Cade vota pela reprovação do negócio

BR Foods aposta que pedido de vistas possa favorecer aprovação

BR Foods tem patrocínio do governo federal, diz advogado

Brasil Foods fecha em queda de 3,2% e perde R$ 3,4 bilhões no mês

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.