Tamanho do texto

Decisão sobre taxa básica de juros, que hoje é de 12,75%, será apresentada pelo Comitê de Política Monetária na quarta-feira (29); número afeta a vida de quem faz financiamentos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) inicia na tarde desta terça-feira (28) mais uma reunião para definir o patamar da Selic, taxa básica de juros da economia, pelos próximos 45 dias. A expectativa de analistas e investidores do mercado é que a autoridade monetária opte por um novo aumento de 0,5 ponto percentual. Caso a projeção se confirme, a Selic, atualmente em 12,75%, chegará a 13,25% ao ano. O comitê anunciará sua decisão amanhã (29).

Financiamentos, como o de veículos, são influenciados pela alta da Selic
U.S. News & World Report/Reprodução
Financiamentos, como o de veículos, são influenciados pela alta da Selic

A expectativa de que a Selic chegará a 13,25% está no mais recente boletim Focus, pesquisa feita semanalmente pelo BC com instituições financeiras. Os investidores ouvidos para o Focus também acreditam que a taxa básica encerrará o ano nesse patamar, ou seja, eles apostam que não haverá novas altas.

Leia também:

Tradicionais, investimentos em poupança e imóveis não são indicados neste ano

Poupança tem maior retirada líquida da história

O Copom retomou o ciclo de elevações da Selic em outubro do ano passado. Desde então, a taxa, que estava em 11% ao ano, acumula alta de 1,75 ponto percentual. Na ata da última reunião, que ocorreu em 2 e 3 de março, os integrantes do comitê justificaram a decisão de elevar a Selic em 0,5 ponto percentual alegando que o balanço de riscos da inflação estava “menos favorável”.

A taxa básica de juros é o instrumento do BC para controle da inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter o movimento de alta de preços, reduzindo a demanda por meio do encarecimento do crédito. Quando há redução da taxa básica, a tendência é o crédito tornar-se mais barato, com estímulo à produção e ao consumo. De acordo com a pesquisaFocus, o mercado projeta inflação de 8,25% para 2015.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.