Tamanho do texto

No início do dia, o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico recuava 0,72 %; índice japonês NIkkei perdeu 1,57%

Reuters

Investidores estavam nervosos depois que as ações dos Estados Unidos registraram a maior queda semanal em dois anos e meio, na semana passada
Getty Images
Investidores estavam nervosos depois que as ações dos Estados Unidos registraram a maior queda semanal em dois anos e meio, na semana passada

As ações asiáticas recuaram nesta segunda-feira uma vez que os preços do petróleo chegaram a atingir nova mínima de cinco anos e meio em um pregão agitado, o que não ajudou nada para aliviar as preocupações de que alguns produtores e exportadores de energia podem enfrentar dificuldades com a queda nas receitas.

Os investidores estavam nervosos depois que as ações dos Estados Unidos registraram a maior queda semanal em dois anos e meio na semana passada devido ao setor de energia, ao mesmo tempo em que esperam que o Federal Reserve, banco central norte-americano, indique nesta semana que está mais perto de elevar a taxa de juros.

Às 7h31 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão recuava 0,72 por cento, tendo caído mais cedo ao menor nível desde março.

O índice japonês Nikkei perdeu 1,57 por cento, sem se animar com a vitória do primeiro-ministro Shinzo Abe nas eleições, numa demonstração de apoio a suas políticas econômicas para acabar com a deflação.

O futuro do petróleo nos EUA chegou a cair mais de 2,5 por cento, a 56,25 dólares o barril, mas se recuperava e operava em território positivo, com alta de 1,5 por cento.