Tamanho do texto

Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), indicador acumula taxas de inflação de 5,56% no ano e de 6,15% nesses 12 meses

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda até 2,5 salários mínimos, fechou novembro com taxa de 0,56%.

Meta: Dilma diz que não vai buscar centro da meta de inflação às custas de desemprego

Inflação tem elevado preços de produtos (arquivo)
Reuters
Inflação tem elevado preços de produtos (arquivo)

Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o indicador acumula taxas de inflação de 5,56% no ano e de 6,15% nos últimos 12 meses.

A taxa de novembro é superior à registrada pelo IPC-C1 em outubro (0,46%), mas inferior à inflação para todas as faixas de renda, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que foi 0,65% no mês e que acumula aumento de preços de 6,81% no período de 12 meses.

O avanço da taxa de outubro para novembro foi puxada por quatro classes de despesas, entre elas, alimentação, cuja inflação subiu de 0,43% em outubro para 0,76% em novembro. Foram destaque nessa classe de despesas as hortaliças e legumes, que tiveram alta de preços de 13,04% em novembro.

Outras classes com alta na taxa são habitação (de 0,55% para 0,76%), educação, leitura e recreação (de 0,38% para 1%) e despesas diversas (de 0,13% para 0,2%).