Tamanho do texto

Entre as medidas anunciadas até agora está um corte futuro na taxa de imposto efetiva de empresas

Reuters

Premiê japonês, Shinzo Abe
ASSOCIATED PRESS/AP
Premiê japonês, Shinzo Abe

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, apresentou um pacote de medidas nesta terça-feira (24) com o objetivo de impulsionar o crescimento de longo prazo do país, de cortes tributários corporativos graduais a um papel maior para mulheres e trabalhadores estrangeiros.

Abe assumiu o cargo há 18 meses prometendo acabar com a deflação e gerar crescimento sustentável com uma estratégia de três pilares, de afrouxamento monetário, gastos fiscais e reformas.

Especialistas dizem que a última parte de sua política econômica é um passo na direção certa, mas querem ver como ela será implementada.

Economistas privados consultados pela Reuters projetam que o plano pode impulsionar a taxa de crescimento potencial do Japão em 0,2, -1,5 ponto percentual em relação ao seu nível atual de cerca de 0,5%. Mas eles destacaram que isso pode levar tempo.

"Mesmo depois de a estratégia de crescimento do governo ser anunciada, várias leis precisam ser decretadas, e levará tempo para as empresas começarem a agir. Portanto, levará 10 a 20 anos para que a taxa potencial de crescimento suba", disse Kenji Yumoto, vice chairman do Instituto de Pesquisa do Japão.

- Nippon Steel avalia contrato para transportar ferro em navios gigantes da Vale

Entre as medidas anunciadas até agora está um corte futuro na taxa de imposto efetiva de empresas - que está entre as mais altas do mundo - para menos de 30% ao longo dos próximos anos, e uma promessa para reformar o Fundo de Investimento de Pensão do Governo de US$ 1,26 trilhão de maneira provável a realocar mais dinheiro ao mercado acionário.

O pacote de reforma de Abe deve ser bem recebido pelo banco central do Japão, que tem pedido por um governo ousado para ajudar a sustentar a atual recuperação alimentada em parte por seu forte estímulo monetário.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.