Tamanho do texto

O Cartica alega que o banco brasileiro e o CorpBanca violaram a lei antifraude e as regras de governança dos Estados Unidos

Reuters

O fundo de investimento norte-americano Cartica Management LLC disse nesta quinta-feira (12) que incluiu o Itaú Unibanco como réu em uma ação judicial que busca interromper os planos do banco brasileiro de assumir o controle do banco chileno CorpBanca.

O Cartica alega que o Itaú, o CorpBanca e o bilionário Alvaro Saieh, acionista controlador do CorpBanca, violaram a lei antifraude e as regras de governança dos Estados Unidos. O processo está pendente no Tribunal Distrital dos EUA do Distrito Sul de Nova York.

Em um comunicado, o fundo disse que Saieh, Itaú e CorpBanca "continuaram a reter informações materiais, e não corrigiram erros materiais", mesmo depois da ação, e violaram as leis de valores mobiliários dos EUA.

O movimento do Cartica, um raro exemplo de ativismo de investidor na região, busca afetar a maior combinação bancária na América Latina desde 2008. O Cartica, que administra cerca de US$ 2 bilhões em ativos, possui cerca de 3,2% das ações ordinárias do CorpBanca.

Itaú, CorpBanca, do Chile, e o bilionário Alvaro Saieh são acusados pelo fundo Cartica
Getty Images
Itaú, CorpBanca, do Chile, e o bilionário Alvaro Saieh são acusados pelo fundo Cartica


O Itaú afirmou por meio de sua assessoria que não vai comentar o assunto.

A decisão de incluir o Itaú no processo baseou-se nos "mais recentes erros materiais em declarações e omissões de Saieh", disse o comunicado, acrescentando que neste momento "tornou-se claro para o Cartica que o Itaú está trabalhando ativamente com Saieh para fechar a transação."

Em seu comunicado, o fundo afirmou que Saieh e os outros réus "fizeram ou permitiram declarações enganosas e omissões que levaram à operação com o Itaú nos atuais termos injustos e subavaliados, sem que os acionistas minoritários do CorpBanca tivessem a oportunidade de adotar quaisquer medidas para proteger seus interesses."

Saieh começou a colocar partes do CorpGroup à venda no ano passado para levantar recursos depois de sua holding varejista SMU, que detém a cadeia de supermercados Unimarc, ter revelado erros contábeis que a forçaram a um aumento do endividamento e à quebra de cláusulas contratuais. Saieh também controla o jornal chileno La Tercera.

Segundo o fundo Cartica, a compra do controle pelo Itaú beneficiaria Saieh por meio da venda de suas ações da subsidiária na Colômbia; de um empréstimo de US$ 950 milhões do Itaú garantido por ações do CorpBanca; opções para vender sua participação no CorpBanca acima do valor de mercado; e a oportunidade de participar como sócio do Itaú em potenciais oportunidades de negócios na América Latina.

A fusão com o banco chileno dará ao Itaú não só uma importante presença no varejo bancário do Chile, mas também proporciona uma vertente de expansão na Colômbia, a economia de mais rápido crescimento da América do Sul no ano passado.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.