Tamanho do texto

Já a recuperação de crédito no setor varejista aponta queda de 6,2% no mês

O indicador de recuperação de crédito da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), que calcula a quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes, caiu 5,8% em maio na comparação com abril, descontados os efeitos sazonais.

O indicador mantém a trajetória de desaceleração no acumulado em 12 meses, desde junho do ano passado, e passou de 1,9% em abril para 1% em maio. No acumulado do ano, houve inversão de tendência, e o indicador passou de 0,4% em abril, para -1,1% neste último mês.

Leia também: Superendividado deve até R$ 300 mil e tem 22 cartões de crédito

Para a Boa Vista, o movimento é condizente com a conjuntura econômica, que registra desaquecimento do mercado de trabalho, queda recente da taxa de inadimplência e menor concessão de crédito. Se esses fatores persistirem, espera-se a continuidade da desaceleração, e que o indicador fique estável ou tenha alta de 1%.

Regiões

Na comparação mensal dos dados sem efeitos sazonais houve diminuição generalizada do indicador em todas as regiões do País.

No Sudeste, houve a queda mais intensa, de 6,6%. Já o Nordeste registrou recuo de 5%, enquanto no Sul a diminuição foi de 4,8%. No Centro-Oeste e no Norte, o indicador caiu 4,3%.

Quando comparado os últimos 12 meses contra os 12 meses anteriores, a região Sudeste é a única que acumula queda, que soma 1,5%. Na região Centro-Oeste, o indicador acumula alta de 6%, enquanto no Norte soma 3,8%, no Nordeste 3,5% e no Sul 4,6%.

Varejo

O indicador que considera a recuperação de crédito no setor varejista aponta uma queda de 6,2% em maio comparado ao mês anterior. Na variação acumulada em 12 meses, o indicador passou de -6,5% em abril para -9,1% em maio.

A mesma tendência foi observada em todas as regiões. O Nordeste e o Sul continuaram a registrar as variações mais intensas de -13% (ante -9,9% em abril) e -8,9% (ante -6,8% no mês anterior), respectivamente. A queda atinge 8% no Sudeste, 7,8% no Norte e 7,4% no Centro-Oeste.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.