Tamanho do texto

Como faz parte do Ibovespa, papel da empresa seria excluído do índice

Se quebrar, a OGX, de Eike, sairá do Ibovespa
Alessandro Buzas/Futura Press
Se quebrar, a OGX, de Eike, sairá do Ibovespa

A BM&FBovespa divulgou comunicado no qual explica o que acontece com ações de empresas que entram com processo de recuperação judicial ou pela falência. A OGX , petroleira controlada pelo empresário Eike Batista, anunciou nesta terça-feira (1º) que não irá pagar juros de sua dívida e pode estar próxima de pedir recuperação judicial.

Leia também: Poucos centavos fazem OGX deslizar no Ibovespa em meio a possível calote

Os negócios com ações podem ser suspensos na hipótese de decretação de intervenção, liquidação extrajudicial ou administração temporária no emissor; pedido de falência contra o emissor, que demonstre indícios de solvência; decretação de falência ou determinação judicial da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que regula o mercado de capitais.

A OGX faz parte do Ibovespa, principal índice da bolsa e que concentra as ações com maior volume de negócios – sua participação é de 4,263%.

Em caso de recuperação judicial ou falência, seus papéis deixariam de fazer parte do índice, já que os negócios seriam suspensos.

Silêncio na Bolsa

A BMF&Bovespa não informa o que aconteceria com o Ibovespa a partir daí. Diz que não fala em caso de hipótese (de a OGX quebrar) e que no caso de a empresa de Eike naufragar, será a primeira a comentar o fato.

Leia também: Ação da OGX, de Eike, vale uma caixinha de chiclete

Embora não tenha citado o nome da petroleira de Eike Batista, a referência é clara graças ao ineditismo do caso. “Isso nunca aconteceu antes, então ninguém sabe exatamente como vai funcionar”, afirma Pedro Galdi, analista-chefe da SLW Corretora.

Uma das hipóteses, não confirmada pela BM&FBovespa, seria um rebalanceamento do índice. Ou seja, os 4,263% de participação da OGX no Ibovespa seriam redistribuídos entre as outras companhias do Ibovespa até que um novo índice seja composto no mês posterior, segundo executivo de um banco de investimento.

Analistas acreditam que a exclusão da OGX do Ibovespa daria maior estabilidade ao índice no curto prazo, pois os papéis da petroleira de Eike Batista estão oscilando nos últimos dias, em meio a rumores, e "empurrando" o índice para cima e para baixo, mesmo que valha R$ 0,20. 

Ações viram 'pó'

A hipótese de falência da companhia não é uma boa notícia para os investidores. Isso porque, nestes casos, eles se tornam os últimos da fila da massa falida. Ou seja, as ações viram pó, no jargão do mercado.

Se a empresa pedir recuperação judicial, resta aos investidores esperar as discussões da companhia com credores e com o juiz para verificar se a empresa sobrevive. 

Nova metodologia

O Ibovespa terá uma nova metodologia que irá excluir as chamadas "penny stocks", ações que valem centavos, como é o caso da OGX. Porém, as novas regras valem apenas a partir de janeiro do ano que vem e de forma integral a partir de maio. 

*Colaborou Bárbara Ladeia