Tamanho do texto

Ibovespa registrou alta de 1,15%, aos 47.407 pontos; giro financeiro foi de R$ 6,34 bilhões

O mercado acionário brasileiro fechou o pregão desta quarta-feira (17) em alta, após o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, afirmar que a data para a redução do programa de estímulo do banco central americano não é tida como certa.

O Ibovespa —que reúne as principais ações locais— subiu pela terceira sessão consecutiva, registrando alta de 1,15%, aos 47.407 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 6,34 bilhões.

-Veja também: dólar mostra forte oscilação no Brasil e cai 1,2%, cotado a R$ 2,2310

Embora tenha mantido o cronograma detalhado no mês passado de que o Fed, banco central dos Estados Unidos, vai suspender as compras de títulos para estimular a economia até meados de 2014, Bernanke deixou aberta a possibilidade de adiar a redução do programa de estímulo dependendo do cenário econômico.

O programa do Fed tem sustentado o apetite por risco e os fluxos de capital para países emergentes.

A preferencial da Petrobras subiu 1,97% e a da Vale avançou 1,04% no pregão desta quarta-feira (17)
Getty Images
A preferencial da Petrobras subiu 1,97% e a da Vale avançou 1,04% no pregão desta quarta-feira (17)

Em reação ao pronunciamento, os principais índices das bolsas americanas fecharam em leve alta, com o Standard & Poor's 500 avançando 0,28%.

No Brasil, as blue chips contribuíram para levantar o Ibovespa, depois de já terem sido os destaques positivos do pregão anterior. A preferencial da Petrobras subiu 1,97% e a da Vale avançou 1,04%.

Papéis de siderurgia, como os da Usiminas, foram outras contribuições positivas, após autoridades da China, um dos maiores parceiros comerciais do Brasil, afirmarem que não deixarão o crescimento econômico cair muito.

Ações do setor imobiliário voltaram a subir, com destaque para PDG Realty, após prévias operacionais positivas de empresas do setor.

Os papéis da Gol também subiram, após dados de tráfego anunciados pela companhia aérea na noite da véspera.

Na outra ponta, Cielo foi a principal influência negativa sobre o Ibovespa. O Barclays iniciou sua cobertura do papel com recomendação "equal weight" (desempenho em linha com o mercado), citando a possibilidade de aumento da competição e potenciais mudanças regulatórias para o setor de cartões.

A Cia Hering teve forte queda, antes da divulgação do resultado do segundo trimestre da varejista de vestuário, prevista para após o fechamento do pregão.

O mercado doméstico volta agora as atenções para a divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O Banco Central divulga na manhã de quinta-feira (18) o documento com os detalhes da reunião da semana passada, quando decidiu elevar a Selic em 0,5 ponto percentual, para 8,5% ao ano, mantendo o ritmo de aperto monetário.

    Leia tudo sobre: Bovespa