Tamanho do texto

Ibovespa fechou aos 45.483 pontos; giro financeiro do pregão foi de R$ 5,5 bilhões

A Bovespa fechou em alta nesta quarta-feira (10), em dia de fraco volume de negócios, com investidores na expectativa pela decisão sobre a taxa básica de juros brasileira e avaliando a ata da última reunião do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

O Ibovespa fechou em alta de 0,9%, aos 45.483 pontos, com operadores citando movimentos de ajuste após o feriado em São Paulo na véspera, quando as ações globais avançaram. O giro do pregão foi de R$ 5,5 bilhões, abaixo da média diária de 2013, de cerca de R$ 7,9 bilhões.

Na máxima da sessão, o Ibovespa chegou a subir 2,0%, mas o movimento perdeu força à tarde, um pouco depois da divulgação da ata do Federal Reserve.

OGX e Copel foram destaques de alta, enquanto OI e PDG Realty ficaram entre as principais baixas do Ibovespa
Getty Images
OGX e Copel foram destaques de alta, enquanto OI e PDG Realty ficaram entre as principais baixas do Ibovespa

O documento mostrou que o banco central americano quer mais garantias de recuperação do emprego nos EUA antes de reduzir seu programa de compra de ativos. No entanto, o consenso entre as autoridades do Fed é de começar a diminuir em breve as medidas de estímulo econômico.

O Comitê de Política Monetária (Copom) anuncia nesta noite, após dois dias de reunião, sua decisão sobre a taxa Selic, com o mercado estimando uma elevação de 0,5 ponto percentual do juro básico do país, para 8,5% ao ano.

Nesta sessão, a petroleira OGX foi o destaque de alta do Ibovespa, com operadores citando a notícia de que o grupo EBX, de Eike Batista, confirmou a reestruturação de seu acordo com a Mubadala, fundo soberano de Abu Dhabi, reduzindo a dívida da holding com o investidor.

Copel também subiu forte na sessão, após o órgão regulador do setor elétrico, Aneel, aprovar o aumento médio de 9,55% neste ano, deixando o restando do reajuste médio de 14,61% para entrar no cálculo da tarifa de 2014.

Em sentido oposto, as ações do grupo de telefonia Oi e da construtora e incorporadora PDG Realty ficaram entre as principais baixas do índice.

    Leia tudo sobre: Bovespa