Tamanho do texto

Objetivo da reunião é a eleição de um candidato para o conselho administrativo da companhia e a instalação de um conselho fiscal

Agência Estado

Os acionistas minoritários da OGX estão organizando um encontro para 13 de julho, em São Paulo, com o objetivo de debater o futuro da companhia e aumentar a influência nos destinos da empresa. São esperados entre 100 e 200 investidores, de acordo com Willian Magalhães, organizador do evento e acionista da empresa desde janeiro deste ano. O evento está sendo organizado pelo Twitter.

Petroleira OGX, do empresário Eike Batista
Divulgação
Petroleira OGX, do empresário Eike Batista

Ontem (3), os acionistas da OGX tiveram mais um dia de pânico. Os papéis da companhia caíram 13,33% na Bolsa. Neste mês, a queda já é de 50,63% e, em 2013, o recuo acumulado é de 91,1%. “É importante os acionistas se conhecerem, e o encontro pode dar cara aos debates que têm acontecido na internet”, afirmou Magalhães, que é de Taubaté, interior de São Paulo, e responsável pela conta no Twitter desde fevereiro. O local escolhido para a reunião é a churrascaria Fogo de Chão, da Avenida dos Bandeirantes, zona sul de São Paulo.

De acordo com Magalhães, o movimento dos minoritários têm dois objetivos muito claros nesse momento: a eleição de um candidato para o conselho administrativo e a instalação de um conselho fiscal. “Esse conselho, como diz o nome, serviria para fiscalizar e entender, de fato, como estão as projeções (da empresa)”, afirmou Magalhães. “Como a reunião entre os minoritários ainda não aconteceu, eu achei interessante a gente delimitar (as demandas) e construir uma pauta de reunião.”

O perfil dos minoritários no Twitter tem servido para a troca de informação sobre os passos da OGX - já são mais de 550 seguidores. Também foram feitas mais de 1,5 mil postagens, incluindo mensagens diretas para o empresário Eike Batista cobrando explicações sobre o futuro da empresa. Magalhães chegou a ser recebido por empresários da OGX, no Rio, no dia 5 de junho. “Eu vejo essa manifestação muito positiva. E a empresa, pelo o que me disseram na reunião, também. A minha ideia é abrir portas entre os minoritários e a empresa”, afirmou Magalhães.

Sem revolta

Apesar do forte tombo dos papéis da OGX nos últimos dias, o organizador do evento se diz avesso a qualquer movimento de revolta. “Faz parte desse mercado de risco”, afirmou. “Óbvio que não tenho visto essa situação (de queda dos papéis) de uma maneira tranquila, mas comprei as ações visando o longo prazo, de cinco anos pelo menos.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.