Tamanho do texto

O índice de confiança do consumidor da Alemanha atingiu o nível mais alto em quase seis anos em junho, a 6,8 pontos, segundo divulgou o instituto GfK

Agência Estado

As bolsas da Europa fecharam em alta nesta quarta-feira, impulsionadas pelo aumento na confiança dos consumidores da Alemanha e uma revisão para baixo no PIB dos EUA, que diminui as possibilidades do Federal Reserve reduzir seus estímulos. O índice pan-europeu Stoxx 600 avançou 1,73%, fechando a 284,54 pontos.

O índice pan-europeu Stoxx 600 avançou 1,73%, fechando a 284,54 pontos
Getty Images
O índice pan-europeu Stoxx 600 avançou 1,73%, fechando a 284,54 pontos

O índice de confiança do consumidor da Alemanha atingiu o nível mais alto em quase seis anos em junho, a 6,8 pontos, segundo divulgou o instituto GfK. O índice também superou a previsão de economistas, de uma leitura inalterada de 6,5 pontos. Na França, o instituto nacional de estatística Insee confirmou que a economia teve uma contração de 0,2% no primeiro trimestre de 2013 ante os três últimos meses de 2012, puxada para baixo pelo enfraquecimento da demanda interna e do comércio exterior.

Nos EUA, a terceira e última revisão do PIB do primeiro trimestre mostrou uma forte correção em relação à leitura anterior. A taxa anualizada de crescimento da economia norte-americana foi revista de 2,4% para 1,8%. Esse dado, porém, não pesou nos mercados. Os investidores preferiram acreditar que essa nova análise pode adiar a redução nos estímulos promovidos pelo Fed.

"De uma perspectiva técnica, dada a forte tendência de queda nas últimas sessões, muitos novos compradores voltaram a assumir posições compradas", comenta Atif Latif, diretor de negociação da corretora Guardian Stockbrokers. Nesse cenário, o índice FTSE, da Bolsa de Londres, ganhou 1,04%, fechando a 6.165,48 pontos. A seguradora Direct Line Insurance Group teve valorização de 3,79%, após anunciar planos de cortar 130 milhões de libras em gastos e demitir quase 2 mil funcionários. As mineradoras tiveram mais um dia de perdas (Fresnillo -3,56%, Anglo American -3,31% e Randgold Resources -3,05%).

Em Frankfurt, o índice DAX avançou 1,66%, para 7.940,99 pontos. As empresas de tecnologia Infineon e SAP lideram as altas, com ganhos de 3,41% e 4,37%, respectivamente. A farmacêutica Bayer teve valorização de 3,01%. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 subiu 2,09%, encerrando a sessão a 3.726,04 pontos. Os bancos tiveram desempenho positivo (Société Générale +3,52%, BNP Paribas +2,72% e Credit Agricole +3,46%). A Unibail-Rodamco, que investe em imóveis comerciais, saltou 3,43%, depois de ter sua recomendação elevada para "comprar" pelo UBS.

Em Milão, o índice FTSE-Mib teve alta de 2,03%, para 15.362,88 pontos. O índice IBEX-35, da Bolsa de Madri, registrou ganho de 2,83%, para 7.823,00 pontos. Os bancos subiram forte, com destaque para o Santander, que avançou 3,74%, depois do Citigroup elevar sua recomendação para o setor bancário espanhol para "neutro". O índice PSI-20, da Bolsa de Lisboa, subiu 1,75%, a 5.525,23 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.