Tamanho do texto

O índice Dow Jones subiu 100,75 pontos (0,69%) e fechou em 14.760,31 pontos

Agência Estado

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta terça-feira (25), ajudadas por dados econômicos melhores que o esperado e pelo alívio das preocupações com a liquidez na China.

O índice Dow Jones subiu 100,75 pontos (0,69%) e fechou em 14.760,31 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 14,94 pontos (0,95%), encerrando em 1.588,03 pontos. O Nasdaq avançou 27,13 pontos (0,82%) e fechou em 3.347,89 pontos.

-Veja também: ações europeias se recuperam de mínimas de sete anos

Os indicadores mais esperados desta terça-feira (25) trouxeram notícias positivas. As encomendas de bens duráveis registraram alta de 3,6% em maio, acima da previsão de aumento de 3,2%. A confiança do consumidor medida pelo Conference Board avançou para 81,4 em junho, acima da previsão de 75,5.

As vendas de moradias usadas também superaram a expectativa e subiram 2,1% em maio, para o nível mais alto desde julho de 2008. Já o índice de atividade industrial da região do Federal Reserve (Fed) de Richmond subiu para 8 em junho, de -2 em maio.

O Nasdaq avançou 27,13 pontos (0,82%) e fechou em 3.347,89 pontos
Getty Images
O Nasdaq avançou 27,13 pontos (0,82%) e fechou em 3.347,89 pontos


Entre outros dados, os preços das residências nas 20 maiores áreas metropolitanas dos Estados Unidos subiram 12,1% em abril ante igual mês de 2012, de acordo com a S&P/Case-Shiller. A estimativa era de avanço de 11,1%.

Já o índice de preços das moradias medido pela Agência Federal de Financiamento Imobiliário (FHFA, na sigla em inglês) subiu 0,7% em abril, na comparação com março, abaixo da alta de 1,2% esperada.

Wall Street passava por baixas nos últimos dias, enquanto os yields (retorno ao investidor) dos Treasuries saltaram, em meio ao crescente temor de que o Fed possa começar a reduzir os estímulos ainda em 2013. Os juros dos Treasuries subiram novamente nesta terça-feira (25), mas a alta foi mais modesta do que nas sessões anteriores, permitindo que os investidores focassem nos dados econômicos positivos..

Também contribuíram para o otimismo de terça-feira (25) as declarações de um funcionário do Banco do Povo da China (PBoC, o banco central do país), que afirmou que o risco de liquidez interbancária está sob controle e a volatilidade é temporária.

O próprio PBoC afirmou, posteriormente, que forneceu liquidez ao mercado e disse que, de modo geral, não há falta de liquidez. O banco central chinês também pediu que as instituições financeiras controlem os riscos e prometeu estabilizar o mercado monetário do país.

No noticiário corporativo, as ações financeiras e de telecoms lideraram as altas de todos os dez setores do S&P 500. Entre os componentes do Dow Jones, os destaques foram Bank of America (+3,01%) e Verizon Communications (+2,67%), enquanto o UnitedHealth Group foi o realce negativo e fechou em queda de 1,48%.

Na Europa, as bolsas fecharam em alta quase generalizada, com os principais índices encerrando a sessão com ganhos maiores que 1%.

A Bolsa de Milão, no entanto, recuou 0,37%. Uma reportagem do jornal britânico "Daily Telegraph" afirmou que a Itália, provavelmente, precisará de um resgate financeiro da União Europeia (UE) dentro dos próximos seis meses, de acordo com o banco italiano Mediobanca. A crise econômica aprofunda-se no país e o aperto de crédito se espalha para grandes empresas, afirmou o jornal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.