Tamanho do texto

Para Fernando Garrido, coordenador-geral de operações da dívida pública, não estão previstos novos leilões simultâneos de compra e venda de títulos

Agência Estado

O coordenador-geral de operações da dívida pública do Tesouro Nacional, Fernando Garrido, informa que não estão previstos novos leilões simultâneos de compra e venda de títulos, nos moldes das operações feitas na semana passada, mas, caso o Tesouro Nacional julgue necessário, poderá voltar ao mercado.

-Veja também: Tesouro voltará a comprar títulos públicos para diminuir instabilidade

Garrido afirmou que o Tesouro Nacional utiliza os recursos que tem em caixa para recomprar títulos com o objetivo de reduzir a volatilidade no mercado. Os leilões simultâneos de compra e venda de papéis públicos feitos desde quinta-feira não eram realizados desde 2008.

Garrido:
Agência Brasil
Garrido: "Um dos principais objetivos é fornecer parâmetros de preço para o mercado"

"Um dos principais objetivos é fornecer parâmetros de preço para o mercado. [O Tesouro] também procura vender títulos para mostrar que existem pontas de compra e de venda. Serve ainda para mostrar que existe uma eventual porta de saída para investidores que desejem se desfazer desses títulos", declarou Garrido a jornalistas, ao comentar dados referentes a maio divulgado mais cedo pelo Tesouro.

Embora o Tesouro tenha aberto a possibilidade de recomprar até 18 milhões de títulos, nos três últimos leilões simultâneos de compra e venda, o volume total recomprado foi de apenas 2 milhões (R$ 2,775 bilhões). "Isso demonstra que os investidores, de modo geral, estavam satisfeitos de continuar com esses títulos, dada a atuação do Tesouro no mercado", afirmou o executivo.

Segundo Garrido, o Tesouro emitiu nesses leilões cerca de R$ 5 bilhões. Descontados os resgates, houve emissão líquida de R$ 2,290 bilhões nas operações. Ele disse ainda que, dos R$ 5 bilhões, aproximadamente R$ 3 bilhões foram títulos prefixados curtos, com vencimento em 2013, "que sofrem muito pouco os efeitos da volatilidade". "A mudança de preços dos títulos que o Tesouro mais vendeu não foi significativa, porque essa venda foi concentrada em papéis de curto prazo."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.