Tamanho do texto

No caso de veículos, por exemplo, o Itaú Unibanco ficou mais restritivo nos empréstimos: começou a exigir entrada maior e encolheu os prazos

Agência Estado

O avanço do crédito consignado em detrimento de outras linhas de financiamento reflete não só o aumento da procura do consumidor, mas também o maior interesse dos bancos em ofertar essa modalidade de crédito.

De um lado são os consumidores endividados ou inadimplentes que querem trocar uma dívida cara por outra mais barata, pois a taxa de juros do consignado é inferior à média do mercado. Em abril, a taxa média do consignado ao ano era de 24,3%, ante 136,8% do cheque especial, por exemplo, segundo dados do Banco Central.

De outro lado, os bancos, escaldados pela alta do calote e pressionados pela redução dos spreads (a diferença entre a custo de captação e do empréstimo), estão mais interessados em emprestar dinheiro nas linhas de menor risco, a fim de garantir os resultados.

Rogério Calderón, diretor de Controladoria do Itaú Unibanco, observa que, diante dos spreads menores, o seu banco e outros decidiram ampliar as operações em linhas de menor risco, como o consignado e o crédito imobiliário.

"É difícil determinar se houve um aumento de demanda das pessoas pelo consignado ou se houve uma busca do banco para ampliar a oferta dessa linha de crédito. Mas as duas coisas levaram a esse resultado: essa foi a linha de crédito que mais cresceu no primeiro trimestre no segmento de pessoa física", afirma o executivo.

No caso de veículos, pressionado pelo aumento da inadimplência, o Itaú Unibanco ficou mais restritivo nos empréstimos: começou a exigir entrada maior e encolheu os prazos. Com isso, reduziu de 33%, no começo do ano passado, para 25%, hoje, a participação de mercado de crédito para veículos.

No Bradesco, o saldo da carteira do consignado aumentou 22% em março deste ano na comparação com o mesmo mês de 2012. O diretor adjunto do Bradesco, Octávio de Lazardi, atribui o crescimento do consignado à segurança que essa linha proporciona tanto para o banco, que oferece o empréstimo, como para o trabalhador, que levanta o financiamento com a prestação descontada diretamente do salário. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.