Tamanho do texto

Ibovespa fechou em baixa de 3,01%, aos 49.769,93 pontos; giro financeiro foi de R$ 8,315 bi

Agência Estado

A Bovespa engatou seu terceiro pregão consecutivo de quedas nesta terça-feira (11), no qual atropelou o patamar de 50 mil pontos e situou-se um nível abaixo, nos 49 mil pontos, no menor patamar desde agosto de 2011.

-Veja também: dólar cai após Banco Central atuar duas vezes e à espera de medidas

O mau humor externo foi o gatilho para as ordens de vendas, mas, depois que o Ibovespa perdeu o patamar de 51,2 mil pontos, o movimento de stop loss (perda máxima aceitável) empurrou o índice até sua mínima.

O Ibovespa fechou em baixa de 3,01%, aos 49.769,93 pontos, menor nível desde 8 de agosto de 2011 (48.668,29 pontos). Na mínima, registrou 49.709 pontos (-3,13%) e, na máxima, 51.314 pontos (estável). No mês, acumula perdas de 6,98% e, no ano, de 18,35%.

OGX foi a principal queda do Ibovespa, com -9,30%, pressionada por notícias de que seu acionista controlador, Eike Batista, vendeu durante o mês de maio um total de 70.482.400 ações da empresa
Thinkstock/Getty Images
OGX foi a principal queda do Ibovespa, com -9,30%, pressionada por notícias de que seu acionista controlador, Eike Batista, vendeu durante o mês de maio um total de 70.482.400 ações da empresa

Nestas três sessões em queda recuou 5,89%. O giro financeiro totalizou R$ 8,315 bilhões, o maior do mês. Os dados são preliminares.

Profissionais consultados concordaram que o patamar atual colocou a Bovespa numa condição de 'sobrevendida', o que significa dizer que os preços estão atrativos e poderiam atrair compras. Mas isso não aconteceu, segundo eles, em parte em razão do vencimento desta quarta-feira (12) de Ibovespa futuro e opções sobre o Ibovespa.

Porém, se o exercício não deixou a Bolsa melhorar, foram as ordens de stop loss que a mantiveram no vermelho durante todo o dia.

Pouca coisa mudou de ontem para hoje, mas a aversão ao risco foi global, depois que o Banco do Japão manteve inalterada sua política monetária, o que reforçou a percepção de que os bancos centrais ao redor do mundo estão se preparando para interromper a injeção de liquidez que têm propiciado desde a crise financeira.

A cautela dos investidores antes da reunião do Fed na próxima semana também colaborou para provocar forte queda nas bolsas, assim como o início do debate na corte constitucional da Alemanha sobre o programa de compra de bônus do Banco Central Europeu (BCE).

As bolsas europeias fecharam com perdas, assim como as americanas. O Dow Jones caiu 0,76%, aos 15.122,02 pontos, o S&P recuou 1,02%, aos 1.626,13 pontos, e o Nasdaq perdeu 1,06%, aos 3.436,95 pontos.

OGX foi a principal queda do Ibovespa, com -9,30%, pressionada por notícias de que seu acionista controlador, Eike Batista, vendeu durante o mês de maio um total de 70.482.400 ações da empresa, representando 2,2% de sua posição, que caiu de 61,09% para 58,92%. Petrobras ON caiu 2,93% e PN, 1,85%. Vale ON, -2,46% e PNA, -2,87%.

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.