Tamanho do texto

Economistas consultados pelo Boletim Focus reduzem expectativa do PIB para 2,53% e elevam previsão da Selic para 8,75% ao ano; cotação do dólar subiu para R$ 2,10

Agência Estado

Analistas mantêm inflação, mas prevem crescimento menor no ano
Thinkstock/Getty Images
Analistas mantêm inflação, mas prevem crescimento menor no ano

Depois da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que enfatizou a piora da avaliação do Banco Central para o comportamento da inflação, analistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2013 e em 2014. De acordo com o relatório de mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (10), pelo BC, a mediana das estimativas dos economistas para o IPCA de 2013 seguiu em 5,80%, mesmo patamar visto há quatro semanas. Para 2014, a projeção também segue em 5,80% pela quarta semana seguida.

Leia também: Receita libera hoje consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda 2013

Já a projeção suavizada de inflação para os próximos 12 meses passou de 5,67% para 5,65%. Há quatro semanas, estava em 5,57%. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA em 2013 no cenário de médio prazo subiu de 5,98% para 6,02%. Para 2014, a previsão dos analistas desse grupo também aumentou, passando de 5,98% para 6,20%. Há um mês, o Top 5 apostava em altas de 5,81% e de 5,40% para cada ano, respectivamente.

Entre todos os analistas ouvidos pelo BC, a mediana das estimativas para o IPCA em junho de 2013 avançou de 0,30% para 0,32%. Há quatro semanas, estava em 0,29%. Já para julho segue em 0,30%, patamar visto já há mais de um mês.

PIB

Os analistas, no entanto, reduziram, mais uma vez, suas expectativas para o crescimento do País neste e no próximo ano. A estimativa mediana para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2013 passou de 2,77% para 2,53%. No início de maio, a mediana das previsões para este indicador estava em 3,00%.

Para 2014, a estimativa mediana para o crescimento do PIB passou de 3,40% para 3,20%, se afastando ainda mais da previsão aguardada no início do mês passado, de expansão de 3,50%.

A expectativa para o crescimento do País se deteriorou, apesar da melhora da previsão para a produção industrial para este ano. Segundo a pesquisa do BC, a estimativa mediana de expansão do setor manufatureiro este ano passou de 2,50% para 2,53%. Com essa mudança, o porcentual volta para o nível visto um mês atrás. Para 2014, no entanto, a projeção mediana se manteve em 3,00% como na semana anterior. Há quatro semanas estava em 3,55%.

Juros

No boletim Focus, os economistas consultados elevaram a previsão para a Selic no fim de 2013, que passou de 8,50% ao ano para 8,75% ao ano. A taxa efetiva está atualmente em 8,00% ao ano.

Para o fim de 2014, a mediana das projeções também subiu, passando de 8,50% ao ano para 8,75%. Há quatro semanas, as duas projeções (para este e o próximo ano) estavam em 8,25% ao ano.

Com essas mudanças, houve também alteração na projeção dos analistas para a Selic média. No caso de 2013, a taxa passou de 7,88% para 8,09% ao ano e, na de 2014, de 8,50% para 8,75%. Quatro semanas atrás, esses porcentuais encontrados no relatório de mercado Focus eram de 7,81% ao ano e 8,50% ao ano, respectivamente.

Câmbio

Houve também aumento generalizado das expectativas dos analistas ouvidos para a cotação do dólar em 2013 e em 2014. De acordo com o documento, a mediana das estimativas para o dólar no curto prazo, em junho, passou de R$ 2,05 para R$ 2,10. Esta também foi a magnitude alta para a cotação da moeda americana ao final de julho.

O relatório mostra que os analistas ampliaram, segundo a mediana, a projeção para o dólar ao final deste ano de R$ 2,05 para R$ 2,10. Com isso, a taxa fica mais distante da cotação de R$ 2,01 esperada quatro semanas atrás.

Para 2014, a elevação foi de R$ 2,10 para R$ 2,15 ante R$ 2,05 vista há um mês. Com estas mudanças, o câmbio médio em 2013 passou de R$ 2,04 para R$ 2,07. Já o câmbio médio para 2014 subiu de R$ 2,07 para R$ 2,10.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.