Tamanho do texto

No Brasil serão fechadas 14 agências nos próximos meses, com objetivo de "concentrar clientes e funcionários em agências com melhor estrutura e capacidade de atendimento"

O Citigroup Inc, que ficou atrás de seus pares na recuperação da crise financeira, anunciou o corte de 11 mil empregos em todo o mundo, cerca de 4% de seu pessoal, para economizar até US$ 1,1 bilhão por ano em despesas. Segundo comunicado divulgado pela instituição, os cortes vão chegar ao Brasil, com o fechamento de 14 agências no País.

Em nota, o Citi informou que, no Brasil, "será feita uma readequação da rede de distribuição do varejo, que conta hoje com 198 agências/lojas, das quais 14 serão fechadas nos próximos meses." O objetivo, continua o comunicado, é "concentrar clientes e funcionários em agências com melhor estrutura e capacidade de atendimento".

"Estamos otimistas em relação as oportunidades futuras e vamos manter nosso objetivo de ser o banco de escolha no segmento premium do varejo no Brasil", conclui o comunicado enviado pelo banco nesta quarta-feira.

MaisSantander Brasil não desmente demissões, mas contesta números

Segundo o Citigroup, as medidas terão um custo antes de impostos de cerca de US$ 1 bilhão nos resultados do quarto trimestre.

Os cortes são os principais passos do presidente-executivo Michael Corbat para reorganizar a companhia desde que tomou as rédeas em outubro depois da saída de Vikram Pandit.

"Nós identificamos áreas e produtos nos quais nossa escala não provê retornos significativos", disse Corbat em um comunicado emitido pela companhia. "Nós vamos aumentar mais nossa eficiência operacional com a redução do excesso de capacidade e despesas".

As ações do Citigroup subiram cerca de 4% para US$ 35,63 na bolsa de Nova York logo depois do assunto.

TambémCitigroup deve cortar 300 empregos em área de vendas

Cerca de 35% dos encargos de reestruturação no quarto trimestre serão realizados na unidade de consumo global, em que 6.200 empregos serão cortados, disse o banco. Cerca de 40% dessas dispensas estará nas áreas de tecnologia e suporte a operações.

O banco espera vender ou reduzir as operações no Paquistão, Paraguai, Romênia e Uruguai. À medida em que continua a concentrar-se em 150 mercados de alto crescimento, a empresa planeja lançar 84 agências em cinco países, mais da metade delas nos Estados Unidos.

(com Reuters)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.