Tamanho do texto

Instituição registrou lucro de R$ 20,1 milhões entre julho e setembro, queda de 62,4%

O BicBanco aos poucos volta a ver o crescimento de sua carteira de crédito, mas essa melhora no estoque das operações de empréstimos ainda não foi suficiente para impedir a queda no lucro e na rentabilidade da instituição. No terceiro trimestre do ano, o resultado líquido foi de R$ 20,1 milhões, valor 62,4% inferior registrado a igual período do ano passado.

Também houve queda no retorno sobre o patrimônio líquido. Entre julho e setembro, esse indicador ficou em 4,1%, menos da metade do registrado no terceiro trimestre de 2011, quando era de 11,1% — a queda persiste se comparada a do segundo trimestre ( 5,4%).

VejaLucro do BicBanco despenca 60,5% no 2º trimestre

O vice-presidente da instituição, Milto Bardini, no relatório de resultados divulgado ontem, lembra que já era esperado que nos últimos dois trimestres de 2012 as provisões para devedores duvidosos continuassem em patamares elevados para o padrão do banco, apesar da queda no terceiro trimestre em relação ao anterior. “A soma de fatores como provisões em patamares elevados, rentabilidade dos ativos onerada pelo carregamento de um caixa robusto e a queda das taxas de juros pressionaram o resultado financeiro.”

As despesas para devedores duvidosos (PDD) da instituição somaram R$ 133,1 milhões no terceiro trimestre do ano, uma queda de 20,4% em relação a igual período de 2011.

Bardini avisa ainda a investidores e acionistas que, embora a tendência de crescimento da carteira seja positiva, essa expansão se dará de forma cautelosa. Em setembro, as operações de crédito totalizavam R$ 12,27 bilhões. Embora o número seja 1,3% inferior ao registrado em igual mês de 2011, já mostra um avanço de 1,4% na comparação com o estoque registrado ao final de junho último.

MaisBicBanco anuncia recompra de até 10% de suas ações preferenciais

Para Carlos Daltozo, analista do BB Investimentos, o resultado do BicBanco no terceiro trimestre tem efeito neutro. Como positivo, ele destaca a aceleração do crescimento da carteira de crédito. No entanto, o que mais incomodou no resultado foi a queda na rentabilidade da instituição. “O banco está em um ponto de retomada, mas ainda falta melhorar a sua rentabilidade”, afirmou.

Entre os fatores que contribuíram para a derrubada da rentabilidade, o analista explica que houve a própria redução da taxa Selic, que reduziu os ganhos financeiros, e também uma mudança no mix da carteira de crédito, com menor participação das linhas com ganhos maiores. As operações de capital de giro, que tem spreads (diferença entre o custo de captação do banco e a taxa efetivamente cobrada do cliente) maiores, totalizavam em setembro 50% do crédito total, ante 61,7% em setembro de 2011. “O BicBanco precisa agora se ajustar a um novo padrão de spreads e a esse novo mix”, diz.

As ações do banco fecharam ontem cotadas a R$ 6,35, queda de 4,94%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.