Tamanho do texto

Pelas exigências atuais, esse tipo de aplicação não é permitido no País, mas a autarquia abriu espaço para análises específicas

Agência Estado

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vai analisar, caso a caso, pedidos de dispensas de requisitos da Instrução 359/02 para a constituição, emissão e distribuição de fundos de investimento em índices de mercado - os chamados Exchange-Traded Funds, ETFs - baseados em índices negociados em outros mercados.

Pelas exigências previstas na norma, esse tipo de aplicação atualmente não é permitido no País, mas a autarquia abriu espaço para análises específicas. Para esclarecer as hipóteses de dispensas a Superintendência de Relações com Investidores Institucionais (SIN) da CVM divulgou nesta segunda-feira o Ofício-Circular CVM/SIN/Nº 5/2012.

A decisão de divulgar um ofício sobre o tema se deu após uma consulta da gestora americana BlackRock, que apresentou em setembro a proposta de criação de um fundo de índice que aplicaria em cotas do IVV, fundo americano gerido pela própria e que replica o índice S&P 500.

Na consulta, a BlackRock solicitava entre as dispensas "a possibilidade de que o fundo de índice possua como ativo elegível à aquisição também cotas de outros fundos de índice negociados em outras jurisdições". Em resposta, a área técnica da CVM disse considerar possível esse tipo de dispensa, desde que tais índices e fundos de índice internacionais sejam compatíveis com as exigências regulatórias brasileiras. A preocupação é impedir que sejam constituídos ETFs que invistam, por exemplo, em índices internacionais alavancados, inversos ou de modelo de replicação sintética.

Para viabilizar um fundo com essa proposta, diz a CVM, seriam necessárias dispensas específicas de cumprimento a certos dispositivos, além daquelas que o Colegiado da CVM já vem concedendo no caso dos fundos de índice que vem sendo registrados na CVM desde 2008.

O ofício editado nesta segunda-feira orienta que, após a análise de cada caso, poderá ocorrer a concessão de dispensa de requisitos da Instrução CVM nº 359/02, para fins de constituição, registro, emissão, distribuição e negociação de cotas de fundos de índice no Brasil, baseados em índices de outras jurisdições, desde que observem as características expostas no ofício.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.