Tamanho do texto

Segundo informações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a medida vai colocar um ponto final em diversas ações envolvendo o Banco do Brasil, muitas delas em benefício dos clientes

Agência Estado

O Banco do Brasil (BB) vai desistir de recorrer em causas que já têm entendimento pacificado nos tribunais, com o objetivo de reduzir o número de litígios envolvendo o banco em tramitação na Justiça. Segundo informações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a medida vai colocar um ponto final em diversas ações envolvendo a instituição, muitas delas em benefício dos clientes, e complementa o esforço de solucionar processos judiciais por meio de conciliação, fruto de acordo firmado entre a instituição financeira e o Conselho no ano passado.

Veja também:  Banco do Brasil tem queda de 6% no lucro do 3º trimestre

Com 850 mil processos tramitando na Justiça, o Banco do Brasil ocupa a 16ª posição na lista dos 100 órgãos e entidades com maior número de processos ingressados em 2011 na Justiça brasileira, em primeiro grau. "O nosso objetivo é reduzir drasticamente o número de ações em todas as esferas do Judiciário", explicou o vice-presidente de controles internos e gestão de riscos do BB, Danilo Angst.

Veja também:  Bancos estão entre mais atingidos por 'ativismo' do governo

Representantes do banco apresentaram a nova estratégia de redução de litígios ao presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Felix Fischer, na última semana. Só no STJ, o BB é parte em aproximadamente seis mil processos. O banco já começou a protocolar petições de desistência de recursos que tratam de matérias sumuladas ou de temas com jurisprudência consolidada no Tribunal, especialmente nas Turmas especializadas em direito privado.

Além da nova estratégia de desistência de recursos, desde abril do ano passado, a instituição, com o apoio do CNJ, busca solucionar processos judiciais por meio de acordos com os clientes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.