Tamanho do texto

Índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 1,52%, para 13.343 pontos, enquanto o Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 1,66%, para 1.433 pontos

As ações norte-americanas fecharam em baixa nesta sexta-feira, em seu pior pregão desde o final de junho, após as companhias referenciais General Electric e McDonald's darem continuidade a uma série de resultados trimestrais desapontadores.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 1,52%, para 13.343 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 1,66%, para 1.433 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 2,19%, para 3.005 pontos.

Na semana, o Dow Jones acumulou alta de 0,1%, o S&P 500 avançou 0,3% e o Nasdaq teve oscilação negativa de 1,3%.

Para o Dow Jones, o declínio desta sexta-feira marcou seu pior dia desde 21 de junho --com a onda de liquidações surgindo no 25o aniversário da "Black Monday", pior recuo percentual diário no índice em todos os temos.

Para Wall Street, dados corporativos têm grande importância. A proporção de balanços que tiveram receita acima das expectativas do mercado é de apenas 41,4%, comparado à média de longo prazo de 62%, de acordo com dados da Thomson Reuters.

A ação da General Electric caiu 3,4% para 22,03 dólares. O lucro trimestral se adequou às expectativas de analistas, mas a receita ficou aquém delas. A GE, entretanto, reafirmou suas projeções de lucro.

"Adentrando na temporada de balanços, operadores perdoam mais facilmente um período fraco, mas as perspectivas futuras estão nos matando", disse o principal gestor do BlackBay Group, Todd Schoenberger.

"McDonald's, Chipotle, Coca-Cola foram derrubadas. E Wal-mart, Target e até Dollar Stores estão sendo prejudicados. É difícil lidar com isso porque nos níveis de lucro, tudo está acentuadamente mais baixo".

A ação do McDonald's perdeu 4,5% e atingiu 88,72 dólares e o papel da Chipotle caiu 15% para 243 dólares após seus lucros trimestrais não cumprirem as expectativas de Wall Street.