Tamanho do texto

Estudo indicou queda na demanda pela commodity neste ano, na medida em que o quadro econômico cada vez mais sombrio continua pressionando o consumo

Agência Estado

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta sexta-feira, após uma sessão volátil em função da divulgação de um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), indicando queda na demanda pela commodity neste ano. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo para entrega em novembro fechou em queda de US$ 0,21 (0,23%), a US$ 91,86 o barril, embora a commodity tenha encerrado a semana com alta acumulada de 2,20%.

Na plataforma eletrônica ICE, o Brent para novembro caiu US$ 1,09 (0,94%), para US$ 114,62 por barril. A Agência Internacional de Energia reduziu a previsão de crescimento da demanda por petróleo em 2012, na medida em que o quadro econômico cada vez mais sombrio continua pressionando o consumo.

MaisAIE reduz previsão de alta de demanda global de petróleo

Segundo o "Relatório de Mercado de Médio Prazo 2012", a AIE revisou seu prognóstico de crescimento da demanda global de petróleo para 700 mil barris por dia neste ano. A agência, porém, manteve suas estimativas de expansão da demanda em 2013 inalterada em 800 mil barris por dia.

Outro fator que pressionou o petróleo hoje foi a forte queda nos contratos de gasolina reformulada (RBOB), desencadeada por expectativas de que algumas refinarias da Costa Leste dos EUA retomem a produção após períodos de manutenção. "A queda da gasolina levou à realização de lucro no petróleo bruto", comenta Andy Lebow, corretor da Jefferies & Co. Nesta sexta-feira, o contrato da gasolina reformulada RBOB perdeu 2,1%, fechando a US$ 2,8928 o galão.

TambémAIE estuda liberar reservas de petróleo em setembro

Segundo analistas, os temores de que as tensões entre Turquia e Síria poderiam aumentar durante a semana e ameaçar a oferta de petróleo evitou que os preços caíssem ainda mais. Mas os preços podem cair na próxima semana caso não ocorram novos confrontos, disse Mark Waggoner, presidente da Excel Futures. "Todos estão olhando para o que está acontecendo na Síria e na Turquia, mas eu acho que os preços vão cair na próxima semana". As informações são da Dow Jones.