Tamanho do texto

O petróleo para novembro negociado na Nymex caía 1,25%, para US$ 90,23 por barril, enquanto o brent para novembro recuava 1,34% na ICE, para US$ 108,97 por barril

Agência Estado

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa nesta quarta-feira, em linha com os mercados acionários da Europa e o euro, em meio a novas preocupações de que a situação da Espanha e da Grécia poderá afetar a demanda da zona do euro pela commodity.

Às 8h41 (horário de Brasília), o petróleo para novembro negociado na Nymex caía 1,25%, para US$ 90,23 por barril, enquanto o brent para novembro recuava 1,34% na ICE, para US$ 108,97 por barril.

A maior parte do otimismo gerado pela nova rodada de estímulos econômicos anunciada pelo Federal Reserve Bank, o banco central dos EUA, desapareceu e o sentimento no mercado de petróleo é negativo no momento, segundo Thina Saltvedt, analista sênior do banco Nordea Bank Norge.

A Espanha, que na terça-feira (25) testemunhou violentos protestos contra medidas de austeridade, deverá anunciar seu orçamento de 2013 e um plano econômico nesta quinta-feira. Na Grécia, onde os sindicatos realizam nesta quarta-feira uma greve geral, também motivada pelas medidas de austeridade, o governo deverá apresentar um novo pacote de cortes de gastos aos credores do país no fim de semana.

O recrudescimento da crise na zona do euro mais uma vez afeta o humor dos investidores, de acordo com analistas do Commerzbank. Por outro lado, "riscos de abastecimento e a perspectiva de mais liquidez dos bancos centrais provavelmente impedirão novas quedas nos preços" do petróleo, previu o banco, em comunicado.

Ainda nesta manhã, os investidores vão acompanhar os dados semanais dos estoques de petróleo dos EUA, que o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) divulgará às 11h30 (de Brasília). No final da tarde de ontem, a pesquisa do American Petroleum Institute (API) indicou que houve uma alta de 335 mil barris nos estoques norte-americanos na semana passada. Economistas consultados pela Dow Jones previam um acréscimo maior, de 1,1 milhão de barris.

Antes disso, às 11h (horário de Brasília), serão divulgados dados de vendas de moradias novas nos EUA, mais um indicador relevante do maior consumidor mundial de petróleo. As informações são da Dow Jones.