Tamanho do texto

Mercado de câmbio doméstico voltou a registrar fraca volatilidade, com um giro financeiro interbancário consistente

Agência Estado

O mercado de câmbio doméstico voltou a registrar fraca volatilidade do dólar em um dia de giro financeiro interbancário consistente. O dólar oscilou com sinal positivo o dia todo em relação ao real e dentro do patamar de R$ 2,03 no balcão e no contrato futuro mais negociado, que vence no próximo dia 1º de outubro.

O fluxo comercial mais movimentado e negativo nesta quarta-feira - decorrente de uma demanda de importadores superior à oferta dos exportadores - combinado com o acirramento da tensão dos investidores com a Espanha e a Grécia ampararam a valorização da moeda norte-americana no exterior e também aqui. O dado de venda de moradias nos Estados Unidos adicionou pressão sobre a divisa dos EUA lá fora, ao mostrar um recuo de 0,3% em agosto, ante a expectativa de alta de 2,2%.

O dólar à vista fechou em alta, pela quarta sessão consecutiva, de 0,25%, a R$ 2,0350 no balcão. Na BM&FBovespa, o dólar spot encerrou com ganho de 0,27%, a R$ 2,0332. O giro financeiro total (balcão e spot BM&F) registrado na clearing de câmbio até 16h55 permanecia firme, em cerca de US$ 2,421 bilhões, dos quais US$ 2,266 bilhões para liquidação em dois dias (D+2).

Um operador de tesouraria de um grande banco com expressiva atuação em operações de comércio exterior e no interbancário de câmbio afirmou que o fluxo comercial manteve-se ativo nas duas pontas, embora a demanda de importadores tenha prevalecido sobre a oferta dos exportadores no mercado à vista. Segundo ele, uma evidência de que houve fluxo líquido diário negativo foi o aumento da taxa do cupom cambial-DDI (taxa de juros em dólar). As operações casadas de dólar à vista com o mercado de cupom cambial-DDI (taxa de juros em dólar) resultaram num aumento da taxa do cupom para novembro de 2012, para 0,96%, ante +0,82% no encerramento de terça-feira.

Como desde o dia 11, as operações casadas de dólar à vista com cupom cambial-DDI praticamente vêm gerando algum diferencial de juros diário - ora negativo ora positivo -, essas variações acabam estimulando ainda as operações de caixa das instituições financeiras, que ajudam a sustentar os volumes de negócios com câmbio à vista, explicou a mesma fonte.

No mercado futuro, às 17h06, o contrato de dólar com vencimento em 1º de outubro de 2012 subia 0,15%, cotado a R$ 2,0350, com volume negociado de US$ 11,833 bilhões. O total movimentado com quatro vencimentos somava US$ 12,168 bilhões.