Tamanho do texto

Acordo sobre situação fiscal da zona do euro fica mais distante, Banco Central Europeu se esquiva sobre reestruturação da dívida grega e Ibovespa cai 0,04%, aos 60.478,05 pontos

Agência Estado

O mau humor nos mercados internacionais contaminou a Bovespa nesta quarta-feira e fechou em queda pelo segundo dia seguido. A perspectiva de um acordo entre os membros da zona do euro parece se distanciar, após declarações de autoridades do Banco Central Europeu (BCE) darem conta de que a instituição não participará de uma possível reestruturação da dívida da Grécia, o que aumentou a aversão ao risco nas praças europeias e em Nova York.

Leia mais:  Dólar tem quarta alta seguida e fecha cotado em R$ 2,03

Por aqui, a queda da Bolsa só não foi mais expressiva porque as siderúrgicas, a Petrobras e a Vale, que despencaram no pregão de terça-feira, mostraram certa recuperação na segunda parte dos negócios desta quarta, ajudando o Ibovespa a desacelerar as perdas e a manter-se no patamar dos 60 mil pontos.

O principal índice da Bolsa encerrou o dia em leve queda de 0,04%, aos 60.478,05 pontos. Praticamente o dia inteiro no negativo, o Ibovespa chegou a recuar -1,28% (59.725 pontos), na mínima, e, na máxima, alcançou 59.725 pontos (+0,01%). Em setembro, a Bolsa acumula ganho de 5,99%, e, no ano, de 6,56%. O giro financeiro totalizou R$ 6,937 bilhões.

"O cenário macroeconômico global segue como principal vetor de influência da Bolsa, então temos visto um ambiente de alguma realização de lucros e alguns setores sofrendo mais sob ameaça de mudanças regulatórias e falta de visibilidade", resumiu o analista da Empiricus Reseach Rodolfo Amstalden.

A Petrobras, que conseguiu se firmar no positivo no fim do pregão, encerrou em alta de 0,43% as ON e +0,13% as PN, na contramão do preço do petróleo negociado no mercado internacional. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos futuros com entrega em novembro fecharam em queda de 1,50%, a US$ 89,98 o barril, pressionados pelo nervosismo em torno da crise da zona do euro e os dados fracos da demanda nos EUA. Foi a primeira vez desde o início de agosto que o petróleo fechou abaixo de US$ 90 o barril.

Depois do tombo de mais de 2,70% na terça-feira as ações da Vale apresentaram leve recuperação e subirem 0,35% as ON e 0,31% as PNA.

No setor financeiro, a falta de visibilidade quanto ao impacto do novo cenário de juros mais baixos sobre o resultado das instituições continuou prejudicando o desempenho das ações, mas o cenário não foi tão catastrófico quando o de terça-feira. Bradesco PN recuou 0,94% e, em direção oposta, Itaú Unibanco PN e Banco do Brasil ON conseguiram migrar para o positivo no fim dos negócios e encerrar em alta, de 0,54% e 0,63%, respectivamente.

Em Wall Street, o Dow Jones registrou queda de 0,33%, o S&P500 cedeu 0,57% e o Nasdaq recuou 0,77%.


    Leia tudo sobre: bovespa