Tamanho do texto

Com as demissões, o segundo maior banco dos Estados Unidos planeja eliminar US$5 bilhões em despesas anuais

Reuters

O Bank of America Merrill Lynch planeja cortar 16 mil postos de trabalho até o final do ano, acelerando um amplo programa de corte de custos diante de receitas em queda, noticiou o Wall Street Journal, nesta quarta-feira.

Com as demissões, o segundo maior banco dos Estados Unidos se adiantaria em um ano no plano de cortar 30 mil empregos sob o programa Projeto Novo BAC. Os cortes poderiam deixar a instituição com uma força de trabalho menor que as do JPMorgan Chase e Wells Fargo.

As reduções foram descritas em relatório que altos executivos receberam, segundo o jornal. Desde que assumiu a presidência em 2010, Brian Moynihan vem se voltando para reestruturar o BofA e reduzir os riscos do banco, que ficou atrás dos concorrentes na recuperação da crise financeira, principalmente por causa de perdas relacionadas a hipotecas.

O banco, que no fim do segundo trimestre tinha 275.460 funcionários, negou-se a comentar o assunto.

Sob o plano, o Bank of America tem afirmado que planeja eliminar US$5 bilhões em despesas anuais e 30 mil empregos até o final de 2013, principalmente via cortes nas áreas de varejo e tecnologia. Uma segunda fase deve reduzir US$3 bilhõe em despesas anuais até meados de 2015, por meio de cortes não revelados em mercados de capitais, banco comercial e gestão de riqueza.