Tamanho do texto

Agência de classificação considera que as companhias mais afetadas pelas medidas são Eletrobras, Cteep e sua controladora ISA Capital do Brasil, além da Cemig

Reuters

A agência de classificação de riscos Fitch Ratings considera que as medidas anunciadas pelo governo para renovação de concessões do setor elétrico com vencimento entre 2015 e 2017 eram inesperadas e elevaram substancialmente os riscos para companhias com concessões expirando nesse período.

Leia mais:  Ações de varejo, petroquímica e siderurgia ganham com corte de energia

A Fitch considera que as companhias mais afetadas pelas medidas são Eletrobras, Cteep e sua controladora ISA Capital do Brasil, além da Cemig.

Já a Copel também será afetada, mas muito menos que as primeiras.

"A queda no fluxo de caixa para as companhias afetadas provavelmente levará a menor investimento no setor no futuro, que sofreria consequências negativas", informou a Fitch em nota nesta sexta-feira.

A Fitch ainda afirma que as medidas levam a uma queda significativa nas receitas para somente cobrir custos de operação, mitigando a geração de lucros e incentivos para investimentos futuros.