Tamanho do texto

Índices Dow Jones e S&P 500 fecharam no maior nível desde dezembro de 2007, enquanto o Nasdaq encerrou no maior patamar de novembro de 2000

Os índices acionários norte-americanos subiram para máximas em vários anos nesta quinta-feira após as medidas agressivas do Federal Reserve, banco central norte-americano, para incentivar a economia terem encorajado investidores a retornar ao mercado.

O índice Dow Jones e o S&P 500 fecharam ambos no maior nível desde dezembro de 2007, enquanto o Nasdaq encerrou no maior patamar de novembro de 2000.

LeiaBovespa dispara 3,40% com Fed e incentivo fiscal no Brasil

O Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 1,55%, para 13.539 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 1,63%, para 1.459 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 1,33%, para 3.155 pontos.

Os maiores nomes do mercado registraram as melhores performances, com a ação da Apple, companhia mais valiosa dos Estados Unidos, fechando em sua máxima histórica de fechamento e o papel da Exxon Mobil, terminando em seu maior nível em quatro anos. Quase 600 ações na New York Stock Exchange e na Nasdaq atingiram máximas em 52 semanas no pregão.

MaisDólar cai com nova medida de relaxamento do Fed

"Muito dinheiro esteve às margens do mercado, e a decisão do Fed fez com que esses investidores voltassem ao jogo", disse o vice-presidente de investimentos do Solaris Asset Management, Tim Ghriskey. "A alta no volume é certamente reconfortante".

O volume total foi de 8,14 bilhões de ações, o mais movimentado dia de negociação desde 22 de junho e acima da média diária do ano passado de 7,84 bilhões.

E aindaBolsas europeias fecham em baixa após comentário sobre Grécia

Numa mudança significativa na política monetária, o Fed disse que comprará US$ 40 bilhões em ativos hipotecários por mês , e prometeu continuar fazendo-o até que a taxa de desemprego norte-americana, atualmente em 8,1%, melhore significantemente.

"A situação do emprego (...) continua sendo uma forte preocupação", disse o chairman do Fed, Ben Bernanke, a jornalistas. "Enquanto a economia parece estar seguindo um caminho de recuperação modesta, ela não está crescendo rapidamente o suficiente para gerar progresso significativo na redução da taxa de desemprego".