Tamanho do texto

Bolsa encerrou cotada a 61.958 pontos, nível não alcançado desde 3 de maio, quando o Ibovespa fechou a 62.104 pontos

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em forte alta nesta quinta-feira, impulsionada por notícias vindas dos Estados Unidos e por desonerações anunciadas pelo governo brasileiro para estimular a economia doméstica. Em decorrência disso, o Ibovespa encerrou com valorização de 3,40%, aos 61.958, nível não alcançado desde 3 de maio, quando o índice fechou cotado a 62.104 pontos.

Só hoje o Ibovespa subiu mais de 2.000 pontos, destaca Pedro Galdi, analista da corretora SLW. "Os mercados estavam em compasso de espera para a confirmação do pacote de estímulo dos EUA", explica. E, a julgar pela reação dos mercados, a resposta agradou os investidores. O Fed anunciou a compra de US$ 40 bilhões de dólares em dívida hipotecária por mês para estimular a economia americana. O presidente do BC americano, Ben Bernanke, informou ainda que continuará adquirindo ativos até que as perspectivas de emprego no país melhorem substancialmente.

LeiaBolsas europeias fecham em baixa após comentário sobre Grécia

A notícia ajudou a impulsionar ainda mais o Ibovespa, que já vinha subindo graças ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, que divulgou a lista dos novos setores beneficiados com a desoneração da folha de pagamentos . No total, são produtos de 25 setores: 20 da indústria, dois de serviços e três de transportes.

O volume financeiro superou os R$ 11,8 bilhões, e os papéis de empresas ligadas aos setores beneficiados pelo incentivo e também pelo pacote de energia anunciado na terça-feira se destacaram entre as maiores altas do índice. Entre as principais altas do pregão estavam as ações da Usiminas, com avanço de 13,49%; Siderúrgica Nacional, com ganho de 10,66%; da incorporadora Brookfield, com valorização de 9,65%; da Gafisa, com alta de 9,26%, e da B2W Varejo, cujos papéis subiram 8,54%.

VejaDólar cai com nova medida de relaxamento do Fed

Já entre as maiores baixas os destaques ficaram com Natura, que perdeu 3,28%; Cielo, cujas ações caíram 2,94%; BR Malls, com queda de 1,83,%; Marfrig, com baixa de 1,79%, e LLX, com desvalorização de 1,26%.

    Leia tudo sobre: Bovespa