Tamanho do texto

Analistas acreditam que autoridade monetária continuará a fazer intervenções no câmbio para controlar a variação da moeda norte-americana

Reuters

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira, interrompendo uma trajetória de quatro sessões seguidas de queda, depois que o Banco Central voltou a intervir no mercado por meio de um leilão de swap cambial reverso. Com a atuação, o BC mostrou mais uma vez que deseja manter a moeda acima de R$ 2.

A moeda norte-americana teve valorização de 0,52%, para R$ 2,0270 na venda. Durante o dia, a divisa oscilou entre R$ 2,0146, logo na abertura do pregão, e R$ 2,0295, próximo ao fechamento.

Leia também:  Bovespa avança, apesar de queda histórica de elétricas

A autoridade monetária vendeu pela manhã 27.500 contratos da oferta total de até 36 mil contratos de swap reverso, operação que equivale a uma compra de dólares no mercado futuro. Na véspera, o BC havia feito uma pesquisa no mercado para verificar a demanda pelos swaps.

"O swap sustentou a alta do dólar. Essa intervenção do governo reforça a percepção de que ele está interessado em manter a moeda nessa banda entre 2 reais e 2,10 reais", disse o consultor de pesquisas econômicas do Banco de Tokyo-Mitsubishi Mauricio Nakahodo.

"O BC pode continuar fazendo leilões, ele não vai deixar a moeda chegar R$ 2, antes disso ele já atua. Ele sinalizou que está atento e bem ativo", acrescentou ele.

Autoridades do governo brasileiro têm defendido um real mais desvalorizado para aumentar a competitividade da indústria brasileira no exterior e as últimas intervenções do BC fizeram o mercado acreditar na existência de uma banda informal para o dólar, com piso de R$ 2 e teto de R$ 2,10.

A última vez em que o BC realizou um leilão de swap reverso foi no dia 21 de agosto, quando a divisa era negociada em torno de R$ 2,01. Na ocasião, o BC anunciou o leilão pouco depois de realizar uma pesquisa de demanda.

No exterior, o dólar tinha queda ante outras divisas, mas reduziu suas perdas no final do pregão, o que também deu fôlego para que a moeda subisse mais frente ao real perto do fechamento.

Às 17h11, a moeda norte-americana tinha baixa de 0,16% ante uma cesta de divisas, enquanto o euro tinha alta de 0,30% frente ao dólar.

A expectativa por ações de estímulo monetário por parte do Federal Reserve, banco central norte-americano, tem pesado nas cotações do dólar nos mercados mundiais. Muitos investidores esperam que o Fed anuncie na quinta-feira, ao final de sua reunião de política monetária, uma terceira rodada de compra de títulos, operação chamada de "quantitative easing".

A operação injetaria liquidez nos mercados financeiros e traria mais pressão ao dólar frente ao real, uma vez que parte desses fluxos tende a se dirigir para mercados emergentes como o Brasil.

"Deve ocorrer uma pressão de baixa no dólar no caso de um Q3, mas acredito que o impacto deve ser menor do que nas rodadas anteriores e o governo deve conseguir manter o câmbio nesse patamar (acima de 2 reais)", avaliou Nakahodo.

(Reportagem de Danielle Fonseca)